St-Felix Evens/Reuters
St-Felix Evens/Reuters

Baby Doc nega planos para voltar à presidência do Haiti

Ex-ditador, porém, não descarta ter papel político no país que governou de 1971 a 1986

Agência Estado

20 de janeiro de 2011 | 11h35

PORTO PRÍNCIPE - O ditador haitiano deposto Jean-Claude Duvalier, conhecido como Baby Doc, negou na quarta-feira, 19, ter qualquer intenção de se envolver no atual processo eleitoral do país. Anteriormente, auxiliares haviam afirmado que ele planejava voltar ao poder.

 

Veja também:

linkJean Bertrand Aristide diz querer voltar ao Haiti

especialLinha do tempo: A História do Haiti

 

Em comunicado lido por sua companheira, Veronique Roy, Baby Doc nega declarações políticas anteriores. O texto, porém, não descarta um possível papel político para o ex-líder, que retornou ao país no domingo após 25 anos de exílio.

 

"Eu nego, com os termos mais fortes possíveis, qualquer declaração política divulga pela imprensa nacional e internacional que possa ter sido atribuída a mim por alguém se dizendo meu porta-voz e que possa ter aludido a cenários relacionados ao processo eleitoral do Haiti", diz ele no comunicado.

 

Anteriormente, Henry Robert Sterlin, um assessor de Baby Doc e ex-embaixador do Haiti na França, havia dito que o ditador tinha voltado ao país para ser eleito o próximo presidente. Sterlin afirmou que as recentes eleições deveriam ser anuladas e novas eleições deveriam ser convocadas, para que o ex-ditador pudesse concorrer.

 

Duvalier assumiu o poder aos 19 anos e comandou o país até ser deposto, em 1986. Apesar de seu regime repressivo, ele ainda tem algum apoio. A oposição teme que ele possa se aproveitar do instável cenário atual. Ontem, observadores internacionais disseram que as eleições de novembro para substituir o presidente René Préval foram marcadas por fraudes e irregularidades. Eles pediram que os resultados fossem revisados.

 

Informações iniciais divulgadas no mês passado por funcionários haitianos deram 31% dos votos para a ex-primeira-dama Mirlande Manigat, e Jude Celestin em segundo, com 22%. O popular cantor Michel Martelly ficou em terceiro, com 21%. Mas monitores da Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmaram que, se os votos com problemas forem ignorados, Martelly ficará em segundo e Celestin, em terceiro. Assim, o candidato de Préval estaria fora da disputa. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.