Bachelet completa um ano de governo com problemas

A presidente chilena, Michelle Bachelet, completou neste domingo seu primeiro ano de governo, ofuscada por problemas na implementação de um novo sistema de transporte na capital e pelo fantasma da corrida presidencial de 2009.Bachelet, de 55 anos, assumiu em 11 de março de 2006 como a primeira mulher a governar o Chile, no quarto mandato consecutivo da Concertación, uma coalizão de partidos de centro-esquerda que tem evidenciado um desgaste maior e atritos internos."Foram 12 meses nos quais tivemos muito claro onde queremos ir. Alguns confundiram e pensaram que dialogar era uma debilidade, que abrir espaços de participação era perder capacidade de decisão e não faltaram, por certo, olhos machistas e às vezes pequenos", disse Bachelet em um ato no sul do país.Em seu primeiro ano, a presidente conseguiu avanços como melhorias nas aposentadorias e maiores coberturas de saúde.Mas protestos estudantis, casos de corrupção no governo e um polêmico novo sistema de transporte em Santiago têm abatido seu apoio, admitiu Bachelet neste domingo."O que pode ficar claro agora é que esta presidente toma decisões, assume desafios e dá a cara. Transparece os problemas, entrega respostas", garantiu Bachelet na cerimônia de inauguração de um centro médico na cidade de Talcahuano.Os usuários do Transantiago, um sistema que tenta unir o metrô com modernos ônibus para tornar mais eficiente o deslocamento de cerca de 6 milhões de habitantes da capital, já castigaram Bachelet nas pesquisas e criticam a baixa frequência dos ônibus e as longas filas e aglomerações no metrô, entre outros."Apesar de todos os esforços pelo Transantiago, ele transformou-se no tema político de 2007 ou pelo menos do primeiro semestre... o maior custo político será pago pelo governo de Bachelet", disse Guillermo Holzmann, diretor do Instituto de Ciências Políticas da Universidade do Chile.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.