Bachelet: "Dediquei minha vida a reverter o ódio"

A presidente eleita do Chile, Michelle Bachelet, afirmou esta noite que "fui vítima do ódio e dediquei minha vida a reverter esse ódio", em seu primeiro discurso no qual anunciou um Governo "para todos os chilenos e todas as chilenas".Em um discurso de quinze minutos diante de meio milhão de partidários que a ovacionavam, e por momentos afônica, Bachelet prometeu trabalhar incansavelmente pelo Chile, "porque não há tempo a perder, são apenas quatro anos".Bachelet ganhou hoje a Presidência do Chile com 53,49% dos votos, contra 46,50% de seu rival, o empresário direitista, Sebastián Piñera.Em seu discurso, Bachelet perguntou "quem teria pensado há 20, dez ou cinco anos atrás que o Chile elegeria uma mulher como presidente"."Parecia difícil, mas foi possível e é possível porque os cidadãos quiseram, porque a democracia o permitiu".A socialista agradeceu aos chilenos sua confiança e por convidá-la a "percorrer com vocês o caminho da liberdade, da igualdade, da prosperidade"."Este não é o triunfo de uma pessoa e de um só partido ou de uma coalizão, é o triunfo de todos nós, é o triunfo do Chile", afirmou Bachelet.A socialista explicou que o mundo olhou para a eleição com uma dose de assombro e disse que não era a primeira vez, "nem será a última que os chilenos assombramos o mundo".Após 17 anos de ditadura (1973-1990), transitamos exemplarmente à democracia, após décadas de altos e baixos econômicos soubemos construir uma economia vibrante "que muitos querem imitar".Também destacou os sucessos dos Governos da Concertación, de Patricio Aylwin (1990-1994), Eduardo Frei Ruiz-Tagle (1994-2000), e o atual presidente Ricardo Lagos, que foi ovacionado pela multidão."Obrigado por me eleger para liderar o Chile nesta travessia", agradeceu Bachelet."Meu Governo será um Governo de unidade; serei a presidente de todos os chilenos", enfatizou."Quero impulsionar um novo estilo de Governo, um estilo cidadão, próximo, participativo, com uma relação franca com o povo, um debate sem desqualificações", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.