Bachelet diz que cumpriu promessas em 100 dias de governo

A presidente chilena, Michelle Bachelet, deu por cumpridas as 36 medidas prometidas para seus 100 primeiros dias de gestão, completos nesta sexta-feira. Segundo ela, a instalação de seu governo já está completa."A tarefa está cumprida. O fizemos no tempo definido e da maneira especificada. Cumprimos graças ao trabalho sem trégua de meus colaboradores e também graças aos nossos parlamentares, que, rapidamente, aprovaram uma série de projetos", disse a presidente.A presidente fez o anúncio à imprensa durante uma pausa em uma reunião com ministros, dirigentes e parlamentares dos partidos da Concertação - coalizão de social-democratas e democratas-cristãos que governa o país desde 1990.Além de anunciar o cumprimento das metas, Bachelet reiterou que seu compromisso é para os próximos quatro anos de governo e que o trabalho vai seguir até o fim de seu mandato."Temos um norte, atuamos com coerência, alcançamos as metas prometidas e não vamos nos deter", disse a chefe de Estado, que assumiu a presidência em 11 de março e é a primeira presidente mulher do Chile.A presidente, que recentemente enfrentou três difíceis semanas de fortes mobilizações estudantis pela qualidade da educação, disse que o cumprimento das 36 primeiras medidas é o "início de um grande processo de reforma".Várias das medidas anunciadas, especialmente as que se referem à área social, foram concretizadas, ainda que algumas necessitem de aprovação de projetos de lei que foram enviados ao parlamento.Entre elas, está a criação do Ministério do Meio Ambiente e da Segurança e a reforma do sistema eleitoral, projeto ao qual se oporá a ala conservadora chilena, conforme adiantaram suas lideranças. O sistema eleitoral vigente favorece a formação de grandes blocos partidários e exclui as correntes políticas de minoria.Entre as medidas já em execução figuram o aumento de pensões, o aumento de bolsas para crianças em jardim de infância e para universitários, a criação de 600 centros de saúde comunitários em todo o país e o atendimento gratuito a maiores de 60 anos em hospitais públicos."Nós estamos contentes com o que realizamos. Estamos convencidos de que temos trabalhado bem. Mas também sou uma pessoa que diz que podemos fazer melhor", disse Bachelet, acrescentando que esta melhoria se pode conseguir com a Concertação, mas também com uma oposição construtiv

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.