Bachelet lembra aniversário do golpe militar chileno

A presidente do Chile, Michele Bachelet, lembrou nesta segunda-feira os 33 anos do golpe militar que derrubou o presidente socialista Salvador Allende e prometeu trabalhar por um país mais justo e solidário e aprofundar a democracia."Trinta e três anos depois do 11 de setembro de 1973 estamos aqui com respeito, com reconhecimento por aquelas pessoas que perderam a vida na ocasião, e também na luta para reconstituirmos e reconstruirmos a democracia em nosso país", disse Bachelet após ter participado de um ato religioso ecumênico em um dos pátios do Palácio de La Moneda, a sede do governo chileno, em Santiago.Depois da breve cerimônia, a mandatária socialista, junto a três de seus ministros, depositou uma rosa vermelha no local onde Allende se suicidou para evitar de cair nas mãos das forças militares, que bombardearam e tomaram de assalto a sede governamental.Bachelet afirmou também que o aniversário do golpe liderado pelo general Augusto Pinochet a fez refletir sobre a necessidade de trabalhar por uma melhor e mais profunda democracia, por um país mas justo e solidário, "razão pela qual muitos perderam a vida neste local".Com relação àqueles que lançaram uma bomba incendiária contra uma das janelas da sede do governo no domingo, Bachelet disse que La Moneda "é um símbolo pátrio e que ninguém tem o direito de atentar contra ela". Durante uma série de distúrbios durante todo o domingo, cerca de 62 pessoas foram detidas.Na cerimônia desta segunda-feira, realizada no Pátio das Camélias, compareceram dirigentes da coalizão governamental e familiares de Allende, além de parentes de funcionários mortos durante o assalto ao palácio.O aniversário do golpe coincidiu com os seis meses de governo da primeira mulher a ocupar a presidência do Chile. O governo fez um balanço positivo de sua gestão, mas a oposição direitista a criticou duramente.Enquanto dentro da sede do governo ocorria a cerimônia, do lado de fora, em uma das esquinas de La Moneda, dezenas de pessoas faziam homenagens e depositavam flores aos pés de uma estátua de Allende.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.