Bachelet pede diálogo, mas evita criticar Maduro

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, pediu diálogo e respeito aos direitos humanos na Venezuela, mas evitou fazer uma crítica direta ao governo de seu colega venezuelano Nicolás Maduro. "Tudo o que sei, fiquei sabendo por meio da imprensa e não julgo com base nisso", disse. "Não podemos aceitar que ninguém utilize a violência ou viole os direitos de um povo que elegeu um governo de maneira democrática."

O Estado de S.Paulo

16 de março de 2014 | 02h04

De acordo com Bachelet, a reunião de chanceleres da Unasul, que deve ocorrer na primeira semana de abril, em Caracas, servirá para apoiar e acompanhar o diálogo entre todas as partes envolvidas na crise venezuelana. "O objetivo é permitir a solução de conflitos de interesses e contradições que possam existir", afirmou. "O importante é que o processo de paz acabe com a violência." / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.