Bachelet quer retirar famílias das áreas vulneráveis

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, levantou a possibilidade de realocar parte dos mais de onze mil desalojados pelos gigantescos incêndios que arrasaram a cidade portuária Patrimônio da Humanidade.

AE, Agência Estado

15 de abril de 2014 | 18h25

O tema da reconstrução começou a tomar força enquanto em alguns dos morros de Valparaíso, a cerca de 120 quilômetros a noroeste de Santiago, a terra ainda continua a brotando colunas de fumaça e os escombros começaram a serem removidos.

"Deve haver um período de realocação das pessoas que perderam tudo ou quase tudo", declarou Bachelet à Rádio Cooperativa. "Esta é uma grande tragédia, porém é também uma grande oportunidade para fazer as coisas bem feitas."

A cidade de Valparaíso se tornou Patrimônio da Humanidade pela sua arquitetura singular, com casas em morros. Após a tragédia dos incêndios, urbanistas pressionam por uma reconstrução planificada. No entanto, o prefeito da cidade, Jorge Castro, fala em construir as casas nos mesmos lugares.

"Vamos buscar reconstruir com um plano diretor, para imaginar a cidade da maneira mais adequada. Precisamos trabalhar com especialistas para nos preocupamos com essas coisas", disse Bachelet à Rádio Cooperativa. "Vamos demorar todos os quatro anos do governo."

Bachelet e sua ministra de Habitação, Paulina Saball, falaram abertamente sobre a possibilidade de retirar milhares de famílias que vivem praticamente penduradas nas colinas, sem abastecimento adequado de água e eletricidade. A presidente admitiu que o governo pode desapropriar terras para fazer um grande círculo de proteção contra incêndios. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chileincêndioreconstrução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.