Bachetet lança medidas anticorrupção no Chile

A presidente chilena, Michelle Bachelet, anunciou nesta quinta-feira um pacote de medidas para combater a corrupção no Chile. Segundo Bachelet, as medidas buscam dar mais transparência, modernizar o Estado e melhorar a qualidade das políticas públicas. "O governo deve ser como um aquário, que pode ser olhado de todos os lados", comparou a presidente. Nas últimas semanas, veio à tona um escândalo de corrupção na subsecretaria de esportes, a ChileDeportes - onde US$ 754 milhões foram desviados para projetos inexistentes, aparentemente para financiar campanhas parlamentares de 2005. Três ex-funcionários do governo e um líder esportivo foram presos esta semana no caso. Será criado, segundo Bachelet, um órgão constitucional autônomo para que a informação sobre o governo esteja disponível para a população. A presidente prometeu um esforço para colocar dados sobre todos atos e medidas dos setores do governo na internet. Todas as repartições deverão explicitar contratações de bens, serviços e transferências para terceiros. "Queremos dar um sinal claro de que a administração não tem o que ocultar", garantiu Bachelet. Para modernizar o Estado, será priorizado o acesso aos cargos públicos por concursos. Além disso, será criada uma superintendência de Obras Públicas e Educação, para organizar e controlar os gastos. Ao término da apresentação, Bachelet demonstrou indignação com os recentes escândalos de corrupção. "Temos que punir os culpados e para isso existe a Justiça, mas também devemos adotar reformas drásticas para o futuro como as propostas hoje."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.