Bactéria resistente dissemina-se entre gays, diz estudo dos EUA

Um tipo resistente e mortalde bactéria conseguiu ultrapassar as fronteiras dos hospitaisnorte-americanos e passou a ser transmitido em relações sexuaismantidas por homens gays, afirmaram pesquisadores nasegunda-feira. Segundo os cientistas, a bactéria "Staphylococcus aureus",ou MRSA (sigla em inglês para Staphylococcus aureus resistenteà meticilina), começou a aparecer fora de hospitais nas cidadesde San Francisco, Boston, Nova York e Los Angeles. Os homens gays sexualmente ativos de San Francisco corremum risco 13 vezes maior de serem contaminados do que seus paresheterossexuais, disseram os pesquisadores na revista Annals ofInternal Medicine. "Quando isso atingir a população em geral, estaremos diantede uma doença realmente impossível de ser controlada", afirmouBinh Diep, pesquisador da Universidade da Califórnia em SanFrancisco, que comandou o estudo. "É por isso que estamostentando divulgar a mensagem da prevenção." Segundo análises químicas, a bactéria espalha-se entre ascomunidades gays de San Francisco e de Boston. "Acreditamos que ela esteja se disseminando por meio daatividade sexual", afirmou Diep. Essa superbactéria pode provocar infecções mortais oudesfiguradoras. E o tratamento contra ela passa muitas vezespela utilização de antibióticos caros administrados na veia. Em 2005, o MRSA matou cerca de 19 mil norte-americanos, amaior parte deles em hospitais, segundo um artigo publicado emoutubro na revista Journal of the American Medical Association. Cerca de 30 por cento das pessoas são portadoras deStaphylococcus comuns. A bactéria pode ser transmitida por meiodo contato entre duas pessoas ou ao depositar-se sobresuperfícies e objetos. O Staphylococcus pode provocar infecções profundas naepiderme e pode penetrar no organismo por meio de uma ferida,por exemplo. As pessoas portadoras da bactéria costumam apresentá-la nonariz, mas o MRSA pode viver também na região do ânus e sertransmitido por meio da relação sexual. A incidência do MRSA está aumentando junto com oressurgimento da sífilis, da gonorréia retal e de novos casosde contaminação pelo HIV em parte por causa da eficiência dostratamentos contra a Aids e do aumento de comportamentos derisco, tais como consumir drogas injetáveis e ter relaçõessexuais que provocam esfolamento da pele, escreveu a equipe deDiep. "A probabilidade de alguém contrair qualquer uma dessasdoenças cresce com o número de parceiros sexuais que se tem",afirmou Diep. "O mesmo pode ser dito a respeito do MRSA,provavelmente." A contaminação pela bactéria costuma manifestar-se por meiode erupções vermelhas na pele. Se não forem tratadas, a áreaspodem inchar e se encher de pus. A melhor forma de evitar a contaminação é lavar as mãos e aárea genital com água e sabonete, disse Diep.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.