Badie pede que tribunais no Egito não se politizem

O líder preso da Irmandade Muçulmana do Egito, Mohammed Badie, pediu que os juízes do país não deixem os tribunais serem politizados. Mohammed Badie apareceu no tribunal nesta terça-feira para um novo julgamento no qual ele e 50 membros da Irmandade enfrentam acusações que vão desde ameaças de desestabilizar o país até conspirar sequestros o ex-chefe militar do país.

AE, Agência Estado

01 de abril de 2014 | 14h13

Badie enfrenta vários tribunais desencadeados por investigações do governo contra a Irmandade, que a declarou uma organização terrorista após a queda do ex-presidente Mohammed Morsi.

Badie criticou vários tribunais e disse que ele enfrenta uma sentença de morte em um julgamento que nunca participou. O líder da Irmandade disse que os juízes do Egito não devem aceitar que a profissão seja "insultada" nas mãos de alguns dentre eles. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoIrmandade Muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.