Bagdá manteria secretamente 6.000 cargas químicas, diz CIA

As forças do Iraque estariam mantendo em depósitos secretos cerca de 6.000 cargas químicas de uso militar. Esse arsenal, formado por ogivas de mísseis, foguetes livres e bombas, não está contabilizado na declaração de 12.200 páginas sobre os programas de armas iraquiano entregue à ONU no dia 7 de dezembro de 2002.A presença dos novos mísseis Al-Samoud na parada comemorativa do fim guerra contra o Irã e dos modelos mais antigos Badr-2000 detectados nas proximidades da fábrica de Al-Mamoun indicam que o desenvolvimento desses equipamentos prossegue. O Badr-2000 tem alcance na faixa de 900 a 1.100 quilômetros.As informações constam de um relatório restrito apresentado pelo diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), George Tenet, no dia 7 de janeiro diante do Congresso dos Estados Unidos, reunido em sessão reservada. O documento trata da "busca agressiva da tecnologia de armas de destruição em massa,de sistemas convencionais avançados e de mísseis, por oitopaíses: Iraque, Irã, Coréia do Norte, Líbia, Síria, Sudão, Índiae Paquistão".As declarações limitam-se a afirmativas da CIA "com base emações desenvolvidas por agentes de campo e na coleta de dados deinteligência", segundo Tenet.O diretor da CIA disse aos senadores que "as evidências concretas serão mostradas no momento certo". Tenet alertou o Congresso para "a procura desenfreada de tecnologia de guerra convencional avançada da parte de Saddam Hussein com ajuda estrangeira".De acordo com a exposição da agência, o Iraque continua a desenvolver mísseis de curto alcance, não proibidos pelas resoluções da ONU, mas emprega o conhecimento adquirido dessa forma no aperfeiçoamento de vetores balísticos de maior raio de ação. A usina de Al-Mamoun, onde é processado o mix decombustíveis sólido e líquido para os mísseis de dois estágiosganhou em 2001 dois pavilhões "para produção de grandesmotores-foguete, em desacordo com o disposto pelas NaçõesUnidas".A CIA apurou que há uma discrepância entre o total de armas químicas lançadas ao longo dos últimos 16 anos pela aviaçãoiraquiana e os estoques apresentados aos vários grupos deinspetores que passaram pelo país após a Guerra do Golfo."Um documento entregue em caráter confidencial à ComissãoEspecial da ONU foi retomado com uso da força (...) porquedemonstrava que o Iraque ocultou 6.000 munições químicas",indicou o relatório da CIA.Em 1998 o governo de Saddam Hussein anunciou que o projeto de construção dos mísseis CondorBadr-2000 estava desativado. O levantamento da CIA garante que o empreendimento continuaativo.A arma é resultado de um programa conjunto da Argentina e do Egito, executado durante os anos 80. O ex-presidente argentinoCarlos Menem, quando governador da Província de La Rioja,ofereceu uma área para os testes dinâmicos. O Condor leva umaogiva de até 500 quilos.Em 1993, os componentes remanescentes foram entregues porordem do presidente Menem a especialistas norte-americanos. Um certo número de mísseis já havia sido construído no Egito etransferido para o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.