Bagdá nega morte de exilados

O governo do Iraque negou ontem que exilados iranianos tenham sido mortos em confronto com as forças de segurança iraquianas em um campo de refugiados ao norte de Bagdá na terça-feira. No entanto, moradores afirmaram que 11 pessoas morreram e distribuíram fotos dos corpos. Cerca de 500 exilados teriam ficado feridos no confronto.Na terça-feira, forças iraquianas tomaram o controle do campo de Ashraf, que há 20 anos abrigava militantes do Povo Mujahedin do Irã, um grupo considerado terrorista por Washington e Bagdá. "Queremos dar um funeral digno aos que morreram, mas agora as forças iraquianas estão ocupando o cemitério", queixou-se Bezhad Saffari, um morador de Ashraf. O governo do Iraque diz que fechará o campo criado sob ordens do ex-ditador Saddam Hussein e encaminhará seus 3.500 moradores de volta ao Irã ou a outro país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.