Bahrein abre investigação sobre morte em protesto

Grupos de oposição ao governo do Bahrein informaram, neste sábado, que um homem morreu durante o confronto com forças de segurança governamentais, o que pode trazer nova escalada nas tensões no país do Golfo, já que as autoridades estão no foco internacional neste fim de semana, em razão da realização de uma etapa do circuito da Fórmula 1. As autoridades abriram uma investigação sobre o episódio, em uma tentativa de diminuir as tensões.

AE, Agência Estado

21 de abril de 2012 | 11h43

O corpo foi encontrado na região oeste da capital Manama, onde forças do governo lançaram bombas de gás para dispersar um amplo protesto realizado na sexta-feira. Facções de oposição afirmaram que as forças do governo e os manifestantes se envolveram em combates que ocorreram nos arredores da aldeia de Shakhura, localizada a cerca de oito quilômetros a oeste da capital Manama. A área fica a cerca de vinte quilômetros do circuito de Grand Prix, que é rodeado pelo deserto e está circundado por um amplo aparato de segurança.

Pelo menos 50 pessoas já morreram em protestos no país desde fevereiro de 2011, no que se tornou o mais prolongado embate nas ruas da chamada "Primavera Árabe". A maioria xiita do país tenta romper o monopólio do poder da dinastia governante sunita, que tem relações estreitas com o Ocidente.

Protestos persistentes têm dificultado a intenção dos governantes do país de manter o foco da imprensa na corrida de Fórmula 1, que será realizada neste domingo. A corrida é o maior evento internacional realizado no país e foi suspensa no ano passado, por causa das apreensões sobre a segurança do evento. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.