Bahrein liberta 23 presos políticos

País de maioria xiita vive onda de protestos contra a monarquia sunita apoiada pela Arábia Saudita

AE, Agência Estado

23 de fevereiro de 2011 | 11h18

  Um dos prisioneiros cumprimenta familiares. Foto: Hasan Jamali/AP  

MANAMA - O Bahrein libertou pelo menos 23 presos políticos acusados de terrorismo e perdoou hoje mais dois, incluindo um líder oposicionista exilado cujo plano para retornar ao país pode complicar o diálogo com o governo sobre reformas políticas. Segundo Ebrahim Sharif, um muçulmano sunita e ex-banqueiro, líder da sociedade secularista Ação Democrática Nacional, alguns, dos entre 300 e 400 presos políticos do país foram libertados. Ontem, o rei Hamid bin Isa al-Khalifa havia anunciado a libertação.

Veja também:

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

Sharif disse que o líder oposicionista exilado Hassan Musheima foi um dos dois a receber o perdão das autoridades. Musheima está a caminho do Bahrein. As libertações foram confirmadas por grupos pelos direitos humanos e por figuras da oposição. Fontes do governo não quiseram comentar esses casos. Os 23 prisioneiros libertados e os dois exilados perdoados eram acusados de formar uma organização ilegal para derrubar a família real, além de suposto envolvimento com financiamento ao terrorismo.

Mushaima é líder do grupo político al-Haq, visto como mais radical em sua visão que os moderados grupos xiitas que até o momento lideram manifestações contra o governo. Com a volta dele, pode haver demandas mais agressivas, complicando os esforços da oposição para unificar o discurso antes de possíveis conversas com o governo sobre reformas.

Mais de cem mil pessoas se manifestaram no Bahrein ontem, o maior número desde o início dos protestos, na semana passada. O tamanho da manifestação indica que a oposição ganha força, mesmo com uma oferta de diálogo do governo. Há o temor, porém, de que as divisões na oposição abram espaço para elementos mais radicais. Um aliado dos EUA, o Bahrein ocupa uma posição estratégica no Golfo Pérsico, ao lado da Arábia Saudita. O país é sede da Quinta Frota dos EUA.

Diferentemente de outros países árabes que enfrentam protestos, o Bahrein é relativamente próspero. A família real é sunita, mas o país é de maioria muçulmana xiita, e essa divisão sectária pode ter um papel maior, em comparação com outras nações árabes que enfrentam protestos. Parte da maioria xiita está pressionando para ter mais voz na política do Bahrein. As informações são da Dow Jones.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Bahreinlibertaçãopresos políticos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.