Anna Moneymaker/EFE
Anna Moneymaker/EFE

Israel e Bahrein vão normalizar relações

Acordo diplomático é o segundo obtido por Trump no Oriente Médio em 30 dias

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 16h14
Atualizado 11 de setembro de 2020 | 22h08

DUBAI - O presidente americano, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira, 11, que Bahrein e Israel concordaram em estabelecer relações diplomáticas, seguindo os passos dos Emirados Árabes, que estabeleceram laços formais com os israelenses no dia 13 de agosto. O Bahrein será o quarto país árabe a reconhecer Israel. 

“Outra conquista histórica”, tuitou Trump. O anúncio representa outra vitória diplomática para o presidente, que disputa a reeleição em 3 de novembro, e uma oportunidade para fortalecer seu apoio entre os cristãos evangélicos que apoiam Israel. Na semana passada, Trump anunciou acordos para que o Kosovo reconheça Israel e para que a Sérvia mude sua embaixada para Jerusalém.

Trump, o rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, e o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, emitiram uma declaração conjunta, que o americano tuitou logo após retornar de um evento de campanha em Shanksville, na Pensilvânia, para lembrar os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. “Este é um avanço histórico para promover a paz no Oriente Médio”, diz a declaração conjunta. “A abertura do diálogo direto e dos laços entre essas duas sociedades dinâmicas e economias avançadas continuará a transformação positiva do Oriente Médio e aumentará a estabilidade, segurança e prosperidade na região.”

“Mesmo os grandes guerreiros ficam cansados de lutar e eles estão cansados de lutar”, disse Trump no Salão Oval da Casa Branca, ao lado do vice-presidente, Mike Pence, e de seu genro e assessor Jared Kushner. Trump elogiou os líderes de Bahrein e de Israel por sua “visão e coragem para forjar um acordo histórico”.

O premiê israelense divulgou um vídeo celebrando a notícia. “Temos investido na paz por muitos anos e agora a paz investirá em nós”, disse Netanyahu. “Isso levará a grandes investimentos na economia israelense.” Kushner destacou que o acordo diplomático é o segundo alcançado por Israel em 30 dias com países árabes. Antes disso, os israelenses haviam obtido reconhecimento de Egito e Jordânia. 

Uma pessoa próxima à família real bareinita disse que as relações com Israel ainda não estão totalmente normalizadas, mas o anúncio desta sexta-feira é um primeiro passo. Na terça-feira, será realizada na Casa Branca uma cerimônia para a assinatura dos acordos com os dois países do Golfo Pérsico. 

O premiê israelense firmará o tratado com os Emirados Árabes, que serão representados pelo príncipe herdeiro, xeque Mohamed bin Zayed, e com o Bahrein, cujo chanceler, Abdulatif al-Zayani, se encarregará de firmar o documento. 

Outros dois Estados menores do Golfo Pérsico devem seguir o exemplo dos Emirados Árabes. Trump falou com o líder de um deles, Omã, no início da semana.

Assim como foi acertado no mês passado com os Emirados, o acordo entre Bahrein e Israel normalizará as relações diplomáticas, comerciais e de segurança. O Bahrein, juntamente com a Arábia Saudita, já havia levantado a proibição de uso de seu espaço aéreo por aviões israelenses.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) denunciou na sexta-feira o acordo, que qualificou como uma “traição à causa palestina” e uma “medida extremamente perigosa”. O grupo acrescentou que o acordo é “um passo no apoio à legalização dos crimes da ocupação israelense contra o povo palestino” e a decisão “prejudica ainda mais a iniciativa de paz árabe de 2002. 

Para o chanceler do Bahrein, no entanto, o acordo levará os palestinos a obterem seus “direitos legítimos” e segue os objetivos do plano árabe de estabelecimento de um Estado palestino independente com sua capital em Jerusalém Oriental.

Desde que os líderes palestinos rejeitaram o plano de paz criado pelo governo Trump, os esforços do presidente americano têm se concentrado em estabelecer laços diretos entre Israel e seus vizinhos, em uma tentativa de dar aos israelenses maior segurança e aplicar pressão sobre os líderes palestinos para que iniciem negociações.

Além disso, normalizar as relações entre Israel e os aliados dos EUA no Oriente Médio é um objetivo fundamental da estratégia regional adotada por Trump para conter o Irã, um inimigo de Washington e também de Israel. / WP, AFP, EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.