Bairro de castelos medievais de Budapeste será restaurado

O governo húngaro vai gastar 800 milhões de florins (US$3,8 milhões) para recuperar o famoso bairro de castelos, de Budapeste, e apagar as últimas cicatrizes deixadas pela Segunda Guerra. O anúncio foi feito, hoje, pelo primeiro-ministro Peter Medgyessy.?o governo quer continuar a remover as marcas deixadas pelo século 20?, disse Medgyessy aos jornalistas. Ele vê a reconstrução dos prédios históricos como parte de um processo social de renovação, que incluiu a abertura de um museu do Holocausto o mês passado.As reformas começaram pelo ex-quartel-general do alto comando do exército, ainda em ruínas e crivado de buracos de balas, num local pelo qual a maioria dos turistas entra no distrito. Quando pronto, o prédio hospedará o novo museu de história húngara.A igreja Matthias também passará por obras substanciais para tornar mais segura sua fachada neo-gótica. Datada do século 13, a igreja era tradicionalmente usada para a coroação dos reis húngaros. Depois da primeira fase de reformas, que durará até 2006, o governo planeja reconstruir alguns prédios históricos da área até 2012.O distrito de castelos medievais tornou-se um centro de resistência alemã, durante a Segunda Guerra, depois que o ditador nazista Adolf Hitler ordenou a seus comandantes que mantivesses Budapeste a qualquer custo, diante do avanço do exército soviético.Depois de a cidade permanecer sitiada por três meses, em fevereiro de 1945, a maioria das edificações do distrito tinha sido derrubada. Muitos foram, anos depois, cuidadosamente reconstruídos ou restaurados e a área tornou-se uma das principais atrações turísticas da capital húngara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.