‘Balões com wireless’ são opção de cubanos da Flórida para garantir internet em Cuba

‘Balões com wireless’ são opção de cubanos da Flórida para garantir internet em Cuba

Diversos políticos da Flórida e cubanos-americanos defenderam a iniciativa, vista com ceticismo por especialistas no assunto

Kim Bellware, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2021 | 15h00

Enquanto o governo de Cuba reprime o acesso à Internet, um punhado de legisladores dos Estados Unidos está apontando para uma possível contramedida para manter os manifestantes online: o envio de balões de alta tecnologia que funcionariam como torres de celular improvisadas para a ilha.

Essa é uma proposta que vários políticos da Flórida estão pressionando o governo Joe Biden a aceitar após os protestos históricos que aproveitaram o poder da mídia social para atrair milhares de pessoas às ruas.

“O governo Biden poderia melhorar o Wi-Fi da embaixada de Havana ou de Guantánamo, e isso pode ser feito em minutos”, testemunhou a deputada Maria Elvira Salazar (Republicana da Flórida) em uma audiência no Congresso na terça-feira, somando-se a um coro de vozes de Miami que pede ao governo Biden que ajude os ativistas em Cuba a se manterem conectados.

Balões de Internet flutuantes ou transmissão de Internet móvel da Base Naval da Baía de Guantánamo podem funcionar - pelo menos em teoria - mas as realidades da física, tecnologia e cooperação diplomática os tornam praticamente ineficazes, disseram vários especialistas ao The Washington Post.

“É um cenário de Hollywood”, disse Doug Madory, que dirige a análise de redes de Internet para a empresa de monitoramento Kentik. “Certamente nunca aconteceu, e houve muitas interrupções na Internet em que isso teria sido útil.”

Entre os especialistas em telecomunicações e na indústria de balões de Internet de alta altitude, as reações às propostas foram de ceticismo em sua maioria. Os balões são lançados em grandes altitudes, e funcionam como torres de retransmissão, usando sinais fracos ou até inexistentes em redes terrestres já instaladas. Mas é preciso ter acesso a essas redes para conseguir retransmitir.

Madory diz que mesmo que fosse possível montar uma base de Internet para os balões em Key West, Flórida, a 90 milhas náuticas da costa de Cuba, ou até mais perto - digamos, de um porta-aviões ancorado em águas internacionais próximas Costa cubana - também há um problema de compatibilidade do dispositivo final.

Nos Estados Unidos, por exemplo, uma pessoa com um cartão SIM da Verizon em seu telefone não podia acessar uma rede de celular AT&T para Internet móvel, disse Madory. “Então, se estou sentado em Havana e quero me conectar a um balão, não vai ser Wi-Fi, vai ter que ser 4G para viajar tantos quilômetros”, disse ele.

Usar a Embaixada dos EUA em Cuba ou a Base Naval de Guantánamo - esta última em grande parte isolada do resto da ilha - como uma espécie de hotspot mega-WiFi pode funcionar, disse Madory. Mas há grandes ressalvas: o acesso se estenderia a pessoas em um raio de 50 metros. “Também deixaria claro para os serviços de segurança cubanos quem está fazendo uso desse serviço”, disse ele.

Mesmo se a tecnologia estiver alinhada, Madory disse que o último obstáculo é diplomático. Atualmente, todo governo soberano regula o ambiente de telecomunicações em seu país. Sem reservas para tomar medidas contra governos autoritários, transmitir sinal de Internet sem o consentimento de um país pode ser uma violação do direito internacional.

“Se eu começar a fornecer serviços de telecomunicações sem permissão, digamos que o Starlink ou um desses serviços queira operar sem licença, eles estão fazendo algo ilegal”, disse ele.

Pelo menos um membro da Comissão Federal de Comunicações disse que não seria um impedimento. Brendan Carr, o comissário republicano sênior da FCC, disse na semana passada durante uma apresentação com o governador da Flórida, Ron DeSantis (republicano), que não se importava com isso.

Corte de internet

Os governos autoritários estão cada vez mais usando blecautes e lentidão da Internet como forma de esmagar os protestos, com vários incidentes recentes em países como Mianmar, Irã, e outros.

Os recentes protestos em Cuba não foram exceção: com o início das manifestações estimuladas por notícias de rápida disseminação nas redes sociais, o governo comunista decidiu bloquear o acesso à Internet. As manifestações, a crescente frustração e uma profunda crise econômica representam talvez os maiores desafios para o sistema de partido único do país - iniciado há mais de seis décadas por Fidel Castro, numa época em que os telefones eram usados apenas para falar.

De acordo com a Netblocks, uma organização com sede em Londres que monitora o acesso à Internet, várias das plataformas de mídia social mais populares ficaram restritas pelo provedor estatal de Internet ETECSA nos dias após as manifestações, o que os ativistas chamaram de tentativa descarada de impedir mais protestos. Como os cubanos começaram a ficar online novamente, dias depois, seus vídeos de celular revelaram o entusiasmo dos manifestantes, bem como a violência nas manifestações.

“O que esses protestos mostram é que as pessoas são capazes de superar seu medo e é por isso que o governo se recusou a restabelecer o serviço de Internet”, disse Guillermo “El Coco” Fariñas, um dissidente cubano proeminente, ao The Washington Post. “São eles que temem que as pessoas voltem às ruas depois de serem capazes de se conectar, inspirar umas às outras e perder o medo das redes sociais.”

Mesmo antes de o governo cubano bloquear plataformas de mensagens populares, como WhatsApp e Telegram, os que vivem na ilha já se acostumaram a um serviço ruim. Em uma pesquisa do Speedtest.net, um grupo que analisa as métricas globais de velocidade da Internet, Cuba ficou em 179º lugar entre 181 países em uma revisão global de velocidades de banda larga.

O acesso à internet em Cuba pode ser descrito em três palavras, disse Ted Henken, professor de sociologia do Baruch College em Nova York: “lento, caro e censurado”.

Apesar de suas deficiências, a Internet “revolucionou” o funcionamento da sociedade cubana, disse Henken, porque o acesso à informação mudou a dinâmica de poder entre um governo autoritário e seu povo. Os cubanos agora podem ligar facilmente para seus entes queridos em Miami por meio do Facebook. E eles podem ler artigos de notícias independentes compartilhados via WhatsApp.

“O governo exerceu um controle monopolista sobre a mídia nos últimos 60 anos. A Internet abriu um buraco nesse monopólio ”, disse Henken, que estudou extensivamente o impacto do acesso ao mundo online no país há muito isolado.

Como os carros de meados do século que circulam pelas ruas de Havana, a Internet cubana é vintage para os padrões americanos. Cuba tinha acesso altamente restrito à Internet antes de 2008, expandindo lentamente ao longo da década seguinte em cyber cafés administrados pelo governo, pontos de acesso de WiFi públicos e acesso residencial caro fora do alcance da grande maioria na ilha.

Uma mudança importante ocorreu no final de 2018, quando o governo possibilitou o acesso à Internet no celular com conectividade 2G e 3G. “Depois de 2018, os cubanos poderiam usar a Internet a qualquer hora e em qualquer lugar para transmitir ao vivo”, disse Henken.

O acesso em tempo real tornou-se uma ferramenta de responsabilização do governo, ajudando a impulsionar grupos como o Movimento San Isidro, uma organização composta por artistas, intelectuais e jornalistas que liderou um protesto inovador em frente ao Ministério da Cultura em novembro. Surgiram novas publicações de notícias digitais. E cubanos de todas as esferas começaram a compartilhar suas realidades online.

“Foi o que aconteceu no domingo”, disse Henken, referindo-se aos grandes protestos de 11 de julho. “As pessoas puderam se comunicar em tempo real com outros cubanos na ilha” para que pudessem saber não apenas “o que estava acontecendo, mas também agir a respeito”.

Alfredo Martínez, um ativista cubano e colaborador da Tremenda Nota, uma revista independente LGBT+, chamou a retirada da Internet de uma violação dos direitos das pessoas. As Nações Unidas afirmaram o acesso à Internet como um direito humano em 2016; desde então, a conectividade na web tem sido cada vez mais associada à liberdade de expressão - e as soluções de guerrilha na Internet uma força democratizadora.

“Como é estranho que o governo nos exclua, as mães nem sabem onde estão seus filhos e os políticos simplesmente vão à TV falar sobre o embargo dos EUA quando as pessoas estão sendo espancadas nas ruas”, ele disse ao Post por telefone.

Em sua carta ao presidente Biden, o senador Marco Rubio (republicano da Flórida) observou que, depois que o furacão Maria atingiu Porto Rico em 2017, o governo dos EUA implementou “conectividade de emergência por meio da Internet fornecida por balões”. Na audiência do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, Salazar também concordou com a ideia, expressando frustração pelo fato de os Estados Unidos não terem ajudado a restaurar pelo menos o acesso básico aos cubanos.

“Não estamos falando de vídeos com qualidade Netflix; estamos falando apenas sobre a capacidade de subir os vídeos que mostram como eles estão sendo espancados nas ruas”, disse ela. O governo Biden afirma que está agindo contra Cuba por meio de uma abordagem multifacetada de pressão internacional, sanções contra o governo e incentivo ao acesso à Internet, disse um alto funcionário do governo ao Post.

“Estaremos colaborando ativamente com o setor privado para identificar formas criativas de garantir que o povo cubano tenha acesso ao livre fluxo de informações na Internet”, disse a autoridade sob condição de anonimato para discutir assuntos ainda não públicos.

O que não foi dito pelo governo Biden e por seus críticos é se o objetivo de aumentar o acesso à Internet não é apenas ambicioso, mas viável. Balões de Internet em particular não podem criar infraestrutura de Internet, mas podem aumentar ou complementar uma já existente, disseram os especialistas.

Nos últimos anos, um punhado de start-ups, incluindo o Projeto Loon da empresa controladora do Google, Alphabet, e Starlink da SpaceX de Elon Musk, procuraram levar a Internet a lugares onde os sinais de fibra e torre de celular não podem ir facilmente.

Em 2019, o Projeto Loon fez parceria com um grande provedor de telecomunicações queniano para lançar balões movidos a energia solar que trouxeram conectividade 4G para vilas montanhosas. Ele trouxe o serviço LTE com sucesso para o Peru após um terremoto em 2019 e para Porto Rico após o furacão Maria. Usando redes terrestres que sobreviveram ao furacão, os balões atuam como torres de retransmissão, que estavam fora do alcance dos telefones celulares.

Ainda assim, o custo e a alavancagem de uma base de consumidores grande e rica o suficiente para pagar os produtos continuam sendo obstáculos. O Projeto Loon foi fechado em janeiro, citando o longo e arriscado caminho para a viabilidade comercial.

De volta a Havana, Martínez, o ativista e jornalista, disse que, por um golpe de sorte notável, foi um dos poucos que conseguiu permanecer online nos dias seguintes aos protestos. Ele especula que pode ter sido por causa de sua proximidade com o departamento de segurança do estado.

Ele usou seu acesso online para rastrear informações sobre pessoas desaparecidas desde os protestos - muitos deles jovens cubanos detidos depois de sair para marchar. "Agora temos uma planilha de quase 400 pessoas”, disse ele. “Pude trabalhar nisso por causa da proximidade deles - a ironia de tudo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.