Baltasar Garzón diz que não representará Snowden

MADRI - O ex-juiz espanhol Baltasar Garzón disse que não defenderá Edward Snowden, ex-funcionário da CIA que divulgou a existência de programas de vigilância dos Estados Unidos. Garzón não deu nenhuma explicação para a rejeição.

Agência Estado

26 de junho de 2013 | 16h00

 

Snowden é acusado de violar as leis de espionagem americanas e pediu asilo ao Equador. Agora, ele deve estar em uma área de trânsito do aeroporto de Moscou.

O ex-técnico da CIA pediu ajuda legal a Garzón, que representou o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, em um caso similar contra o governo dos EUA.

 

O ex-juiz ficou famoso quando acusou o ditador chileno Augusto Pinochet em 1998 e tentou condená-lo por crimes contra a humanidade. Na Espanha, ele foi suspenso pelo governo por usar sua influência para iniciar uma investigação sobre os crimes cometidos em nome do ex-ditador general Francisco Franco. /AP

Mais conteúdo sobre:
EspanhaGazónSnowdendefesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.