Matt Rourke/AP
Matt Rourke/AP

Baltimore tenta se recuperar após noite de violência

Morte de jovem negro revoltou população; Obama diz que crise nos EUA se desenvolve lentamente há tempos

O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2015 | 19h07


BALTIMORE - Depois de uma noite violenta, moradores de Baltimore começaram a limpar nesta terça-feira, 28, a destruição causada pelos tumultos e incêndios que irromperam após o enterro do jovem negro morto sob custódia policial. Ao falar sobre o tema, o presidente Barack Obama afirmou que casos como o de Freddie Gray levantam “perguntas preocupantes” e o que o país assiste não é novo, mas uma “crise que se desenvolveu lentamente”. 

“Acho que há departamentos de polícia que têm de fazer um exame de consciência. Há algumas comunidades que têm que fazer um exame de consciência. Mas principalmente acho que nós, como país, temos de fazer um exame de consciência”, declarou Obama, em uma entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, que está em visita oficial aos EUA. 


Gray, de 25 anos, morreu no dia 19 depois de sofrer danos na coluna vertebral quando estava sob custódia da polícia. O caso deu combustível à revolta popular do ano passado em consequência das mortes de negros desarmados por policiais brancos em Ferguson, em Nova York e em outros locais. 

A polícia de Baltimore comunicou que 15 de seus efetivos ficaram feridos, 6 deles gravemente, durante os protestos na cidade. A fumaça ainda pairava sobre as ruas enquanto bombeiros corriam para conter os estragos resultantes da violência, que veio à tona a poucos quarteirões do funeral de Gray e se espalhou por boa parte da vizinhança pobre do oeste da cidade. Quinze edifícios e 144 veículos foram incendiados e quase 200 pessoas foram presas, de acordo com a prefeitura. 

Voluntários limpavam destroços chamuscados diante de uma farmácia à vista de dezenas de policiais com equipamento de choque. Soldados da Guarda Nacional começaram a se mobilizar na cidade, especialmente diante da delegacia para onde os policiais levaram Gray quando ele se feriu. 

O governador de Maryland, Larry Hogan, declarou estado de emergência. A prefeita de Baltimore, Stephanie Rawlings-Blake, impôs toque de recolher de uma semana na cidade de maioria negra.

Gray foi preso no dia 12 enquanto fugia de policias. Ele foi transportado para a delegacia em um furgão e sofreu a lesão na coluna que causou sua morte uma semana depois. Um advogado da família de Gray disse que sua coluna sofreu um rompimento de 80% junto ao pescoço quando estava em custódia.

Seis policiais foram suspensos e o Departamento de Estado dos EUA está investigando possíveis violações de direitos civis. / REUTERS e EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
Baltimoretensão racialEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.