Ban e Steinmeier pedem ao Irã que dê sinais de negociação

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu às autoridades de Teerã nesta quarta-feira, 21, que cumpram as resoluções do Conselho de Segurança e dêem sinais indubitáveis de sua disposição ao diálogo, o que, segundo o ministro de Assuntos Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, "ainda não ocorreu"."Todas as declarações públicas da parte iraniana ouvidas até agora não bastam para que a comunidade internacional mude sua posição", disse Steinmeier após um encontro bilateral com Ban.O ministro lembrou que há uma semana se reuniu em Munique com o negociador-chefe iraniano para a questão nuclear, Ali Larijani, para recordá-lo, entre outros assuntos, de que o prazo de dois meses dado pelo Conselho de Segurança ao Irã com a resolução aprovada em dezembro expira nesta quarta-feira, 21."O Irã sabe muito bem que se não mudar de atitude até essa data, o Conselho de Segurança voltará a retomar o tema e a realizar uma rodada de negociações", ressaltou o ministro, para quem a oferta de diálogo feita na terça-feira pelo presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, não contém nada novo.Ban, que se encontra em Berlim por ocasião da reunião do Quarteto de Madri para o Oriente Médio - Estados Unidos, União Européia, Rússia e ONU -, destacou a necessidade de que o Irã mostre uma posição mais conciliadora que permita chegar a um acordo sobre um assunto "muito sensível e delicado"."O dossiê nuclear iraniano está nas mãos do Conselho de Segurança e sei que alguns de seus membros defendem um recrudescimento das sanções em curso", advertiu o secretário-geral da ONU, que repetiu seu chamado ao Irã para que cumpra as condições da comunidade internacional.Para o início de negociações e enquanto o diálogo durar, o Irã deve manter em suspenso seu programa de enriquecimento de urânio, condição que Teerã rejeita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.