Ban Ki-moon diz que crise em Darfur é prioridade da ONU

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ressaltou neste sábado, 21, a solução para a crise na região de Darfur, no noroeste do Sudão, é "prioridade" em sua agenda, afirmando ainda que a situação na região é "inaceitável"."O assunto de Darfur é uma das maiores prioridades da minha agenda", disse Ban, que concluiu uma visita de três dias à Suíça e às agências internacionais localizadas em Genebra, onde fica a sede européia das Nações Unidas.Nesta cidade suíça, Ban disse que "a comunidade internacional esperou muito, o povo de Darfur sofreu muito e por muito tempo. É uma situação inaceitável".Além disso, o secretário-geral espera que o presidente do Sudão, Omar Hassan Ahmad al-Bashir, cumpra com seus compromissos, em referência ao fato de seu Governo ter aceitado em 16 de abril deste ano o envio de helicópteros de combate e três mil capacetes azuis à força de paz africana na conflituosa região de Darfur.A decisão abre o caminho para o desdobramento de uma operação de paz conjunta entre a ONU e a União Africana (UA), que, segundo previsões, deve contar com 20.000 homens.Até esta ocasião, o Governo de Cartum se opunha ferrenhamente ao envio dos capacetes azuis da ONU, por considerar que a força de paz africana podia por si só se encarregar da segurança na região.O conflito em Darfur começou em fevereiro de 2003, quando grupos rebeldes pegaram armas em protesto pela pobreza e a marginalização imposta pelo Governo à região.Desde então, mais de 200.000 pessoas morreram e um total de dois milhões foi obrigado a se deslocar para outras regiões do Sudão ou ao país vizinho Chade. A ONU considera este o maior desastre humanitário deste século.O principal responsável da ONU apontou que está "no processo de intensificar os contatos diplomáticos". Ban, no entanto, não quis se pronunciar sobre a imposição de punições ao Sudão, medida da qual seriam partidários dois dos membros permanentes do Conselho de Segurança: Estados Unidos e Reino Unido.Durante sua visita à Suíça, Ban, de 62 anos e ex-ministro sul-coreano de Assuntos Exteriores, se reuniu com a presidente e ministra de Exteriores suíça, Micheline Calmy-Rey. Ele também participou de uma reunião com os funcionários das Nações Unidas em Genebra e com os chefes das 22 agências internacionais que têm sede nesta cidade.Durante sua reunião, em Berna, foram tratados assuntos como as relações da Suíça com a ONU, as reformas da instituição e a política suíça no campo das operações de manutenção da paz, segundo um porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores da Suíça.O secretário-geral viaja neste domingo, 22, a Doha (Catar) para participar do Fórum da Democracia, Desenvolvimento e Livre-Comércio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.