Ban Ki-moon faz juramento para assumir chefia da ONU

O sul-coreano Ban Ki-moon prestou juramento nesta quinta-feira para se tornar o oitavo secretário-geral da ONU, prometendo superar distâncias e liderar uma Organização das Nações Unidas dinâmica e corajosa a partir de 1º de janeiro, quando toma posse efetivamente.Ban, de 62 anos, fez o juramento numa cerimônia da Assembléia Geral da ONU, que também homenageou o ganês Kofi Annan, de 68, que encerra seu segundo mandato seguido de cinco anos no dia 31 de dezembro."Reforçando os três pilares de nossas Nações Unidas -- segurança, desenvolvimento e direitos humanos -- podemos construir um mundo mais pacífico, mais próspero e mais justo para as próximas gerações", disse Ban aos embaixadores dos 192 países-membros da ONU."Conforme fazemos nosso esforço coletivo para alcançar esse objetivo, minha prioridade será restaurar a confiança. Tentarei agir como harmonizador e eliminador de distâncias", disse Ban, acrescentando que os governos mundiais exigem uma ONU "dinâmica e corajosa", e não uma entidade "passiva e medrosa".As principais tarefas serão dar nova vida ao secretariado e a seus funcionários e estabelecer o "padrão ético mais elevado possível". A declaração soou como uma referência dissimulada aos mandatos de Annan, manchados por revelações de corrupção e de malversação dos recursos de US$ 64 bilhões do programa petróleo-por-comida, do Iraque. A mulher de Ban, Yoo Soon-taek, sentou-se ao lado da mulher de Annan, Nane, na audiência, enquanto a presidente da Assembléia, Haya Rashed Al Khalifa, ditou o juramento.Ban jurou "não buscar nem aceitar instruções, relativas ao desempenho de meus deveres, de nenhum governo ou outra autoridade externa à organização".Diplomata reservadoNão se sabe muita coisa sobre as políticas a ser adotadas por Ban nem sobre quem ele nomeará. Reservado, Ban é dono de uma longa carreira diplomática quase impecável. Ele foi ministro das Relações Exteriores da Coréia do Sul.John Bolton - o embaixador dos Estados Unidos na ONU que está prestes a deixar o cargo - pediu uma atuação mais contundente do secretário-geral. Ele apoiou Ban desde o começo."Posso parecer discreto e calmo, mas isso não significa que me falte compromisso com a liderança", disse Ban à Reuters numa entrevista após sua eleição. "Tomo resoluções decisivas sempre que necessário."Ban dará início a seu mandato de cinco anos naquele que Annan já chamou de o trabalho mais impossível do mundo; de fato, o secretário-geral conta com uma agenda complicada, que vai das ameaças da proliferação nuclear e de terrorismo à reforma da administração da ONU.Ele fez uma advertência num jantar com enviados à ONU, referindo-se à fama que ganhou dos jornalistas. "Quando eu quiser, vou fugir de vocês tão bem quanto qualquer agente secreto.""Ban Ki-Moon está chegando à cidade", cantou, imitando a canção de Natal "Santa Claus is Coming to Town."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.