Associated Press/Arquivo
Associated Press/Arquivo

Ban Ki-moon faz visita surpresa à Líbia

Chefe da ONU vai se reunir com líderes do Conselho Nacional de Transição em Trípoli

estadão.com.br

02 de novembro de 2011 | 12h52

TRÍPOLI - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, chegou nesta quarta-feira, 2, à capital da Líbia, Trípoli, em uma visita surpresa para reunir-se com as autoridades do Conselho Nacional de Transição (CNT), o órgão de governo instituído pelos revolucionários líbios que derrubaram o regime do ex-ditador Muamar Kadafi. A visita de Ban não havia sido anunciada previamente.

 

Veja também:

tabela HOTSITE: Líbia pós-Kadafi

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

 

Pouco após chegar a Trípoli, Ban conversou com presidente do CNT, Mustafa Abdel Jalil, na presença de outras autoridades líbias. O chefe da ONU deve conceder uma entrevista coletiva ao lado de Abdel Jalil para falar sobre a visita, de acordo com informações passadas por seu porta-voz em Nova York.

 

Dois dias atrás, o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, também esteve no país. Em sua passagem, Rasmussen afirmou que a operação militar conduzida pela aliança durante a maior parte dos oito meses de guerra civil foi "um sucesso" e significou a vitória da revolução sobre Kadafi.

 

A Otan encerrou sua missão no país africano. As ações haviam sido autorizadas pela ONU no início dos conflitos para "proteger os civis". A visita de Ban reforça a presença do organismo internacional nos esforços de reconstrução da Líbia, que solicitou ajuda das Nações Unidas em alguns aspectos.

 

O novo governo líbio começou a se formar na terça-feira, quando foi nomeado o primeiro-ministro do país, Abdel-Rahim al-Keeb, escolhido pelo CNT para liderar temporariamente. As autoridades da Líbia já planejam a convocações de eleições após os 42 anos de regime autoritário de Kadafi.

 

Com informações da Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.