Banco Central da China promete agir para frear crise global

Na última quarta, o banco anunciou um corte de 0,27 ponto percentual nas taxas de juros

EFE

11 de outubro de 2008 | 05h12

O Banco Popular da China (PBOC, central) assegurou que continuará com seu trabalho de cooperação internacional com outras entidades centrais para atenuar os efeitos da crise financeira e conseguir a estabilidade dos mercados. Em entrevista à emissora estatal "CFTV", um porta-voz do banco central chinês declarou que a entidade "fortalecerá a cooperação com as instituições financeiras internacionais e os bancos centrais para combater conjuntamente a crise global e os riscos financeiros". Na quarta-feira passada, o PBOC anunciou um corte de 0,27 ponto percentual nas taxas de juros, fixados agora em 6,93%, o segundo movimento de baixa em apenas três semanas. Segundo o porta-voz, "a cooperação abrangerá políticas monetárias e tributárias, a indústria, exportações e políticas de regulação financeira, para ajudar a economia doméstica e equilibrar o âmbito internacional".

Tudo o que sabemos sobre:
PEQUIMCRISE FINANCEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.