Banco de cérebros. Com RG e história da vida dos doadores

Cientistas da Hong Kong e China preparam-se para criar um banco de cérebros pioneiro ? pela primeira vez, os doadores terão identidade e um histórico de vida - para ajudar pesquisadores a descobrir mais sobre o funcionamento e as doenças do órgão, anunciou hoje a Universidade de Hong Kong.Os pesquisadores querem assinar a doação de sua massa cinzenta à ciência e também compartilhar informações médicas e psicológicas que contribuam para ampliar seus estudos. Eles acreditam que as a identificação tornará seu trabalho mais significativo do que simplesmente pesquisar em outros bancos de cérebros, onde especialistas estudam exemplares sem informações detalhadas sobre os doadores, disse Janet Yeung, porta-voz da universidade. Pesquisas em amostras de cérebros já levaram a importantes descobertas de doenças mentais, incluindo esquizofrenia, Parkinson e Alzheimer. Mas, segundo Yeung, o banco chinês será o primeiro de seu gênero.?Há outros bancos de cérebros no mundo, mas eles não guardam registros médicos do doador ou informações sobre eventos de sua vida?, ela explicou, ?É difícil analisar cérebros sem essas informações.?A Universidade de Hong Kong e a Universidade Central Sul da China, localizada em Changsha, província Hunan planejam assinar o memorando de entendimento, criando o banco na sexta-feira. Cérebros de doadores de Hong Kong serão mantidos na ilha e os dos chineses do continente, em Chagsha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.