Banco irlandês diz que já perdeu US$ 18 bilhões em depósitos

Valor corresponde a 17% do total de depósitos do Allied Irish Banks; anúncio aprofunda crise no país.

BBC Brasil, BBC

20 de novembro de 2010 | 00h15

Governo irlandês se reúne no domingo para criar plano para reduzir o déficit.

Um dos maiores bancos da Irlanda afirmou nesta sexta-feira que vem enfrentando uma grande queda no volume de depósitos, aprofundando ainda mais a crise que afeta o sistema bancário do país.

Segundo a diretoria do Allied Irish Banks, foram sacados US$ 18 bilhões desde janeiro, o que representa 17% do total dos depósitos do banco.

Prejuízos em bancos irlandeses vêm forçando governo a negociar um pacote de ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Estima-se que o valor do auxílio chegue a US$ 110 bilhões, mas o governo tem relutado em aceitar o dinheiro.

'Inadimistráveis'

No entanto, o ministro irlandês das Finanças, Brian Lenihan, admitiu na quinta-feira que o país vai precisar de ajuda externa para resolver sua grave crise fiscal e a alta dívida dos bancos.

"A maior dificuldade, claro, é que os bancos atingiram um tamanho tal que eles se tornaram inadministráveis demais para o Estado em si", disse Lenihan à emissora RTE. "É por isso que nós devemos considerar assistência externa para estabilizar o nosso sistema bancário."

Um grupo de autoridades econômicas internacionais - entre eles, representantes do FMI e da UE - está em Dublin para discutir a crise da dívida da Irlanda.

O Banco Central Europeu, de cujos empréstimos as instituições da Irlanda têm grande dependência, também faz parte das negociações.

Membros do alto escalão do governo irlandês vão se reunir no domingo para finalizar um plano, que será implementado em quarto anos, para reduzir o déficit orçamentário. Os detalhes do plano serão divulgados apenas na terça-feira.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.