Banco Mundial fará críticas ao Fed e alerta sobre dólar

O presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, fará críticas ao Fed e dirá que os EUA não devem tomar como garantido o status do dólar como valor de reserva global em discurso preparado para ser apresentado amanhã na Escola Paul H. Nitze de Estudos Internacionais Avançados, da Universidade Johns Hopkins. Zoelick ocupou diferentes postos no Tesouro norte-americano entre 1985 e 1993.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

27 de setembro de 2009 | 17h51

Segundo a Reuters, Zoellick dirá que "haverá cada vez mais outras opções" para uma moeda de reserva mundial além do dólar, acrescentando que, com as mudanças na economia global, o crescimento virá de múltiplas fontes. De acordo com The Wall Street Journal, Zoellick questionará se o Congresso deve aumentar o poder do Fed sobre os bancos, conforme propõem o governo de Barack Obama para reformar a supervisão do setor financeiro. Esta será uma intrusão incomum de um chefe de uma organização internacional como o Banco Mundial numa disputa burocrática nos EUA, segundo o Journal.

Zoellick opinará que os bancos centrais no mundo falharam como reguladores e que o Tesouro, que tem maior supervisão do Congresso, deveria receber a autoridade de regular as grandes instituições financeiras, não o Fed. "Será difícil conferir mais autoridade aos independentes e poderosos tecnocratas do Federal Reserve", dirá Zoellick. "Os bancos centrais falharam em lidar com os riscos em formação na nova economia", afirmará.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco MundialFed

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.