Bancos argentinos retomam compensações de cheques

Os bancos argentinos vão retomar hoje mais algumas de suas atividades, anunciou o secretário da Fazenda e de Finanças, Rodolfo Frigeri. Segundo ele, a compensação de cheques vai voltar a ser feita pelas instituições financeiras. Frigeri disse que a medida tem como objetivo recuperar a confiança da população. Ele prometeu ainda que não vai mexer nos depósitos.A volta da compensação de cheques deve aliviar muitas empresas, que os estavam acumulando sem poder descontá-los.A interrupção desse serviço estava causando incertezas em relação aos pagamentos de salários previstos para os primeiros dias de janeiro.As instituições financeiras poderão realizar as operações de crédito e débito. Com isso, será possível transferir recursos de um banco para outro, entre contas de titulares diferentes. Os depósitos a prazo fixo, no entanto, permanecem imobilizados. Além disso, o feriado cambial continua até o dia 2 de janeiro. Assim, não serão realizadas operações em moeda estrangeira, e as casas de câmbio vão seguir fechadas. Com a volta da compensação de cheques, a Bolsa de Buenos Aires deve voltar a funcionar nesta quinta-feira.Frigeri anunciou as medidas depois de uma reunião com os diretores da Associação de Bancos da Argentina (ABA) e da Associação dos Bancos Privados e Públicos da República Argentina (Abappra). As transferências podem ser realizadas entre contas de uma mesma moeda ou de dólares para pesos, mas não de pesos para dólares. Além da compensação de cheques, os bancos vão continuar realizando operações de pagamento de aposentadorias e pensões, transferências de recursos das contas dos empregadores para os empregados para pagamento de salários, depósitos em dinheiro, recebimento de faturas de serviços públicos e impostos. governo argentino criou ontem um ?fundo de liquidez?, semelhante ao depósito compulsório brasileiro, para dar sustentação às trocas no sistema financeiro. A explicação dada pelo governo é de que o fundo está sendo criado para evitar que alguns bancos privados tenham dificuldades com a perda de depósitos. Cada instituição deverá aportar 5% da taxa média dos saldos diários de seus depósitos em pesos e em dólares. O aporte das entidades poderá ser incrementado em até 50% adicionais.Numa outra medida, o presidente Adolfo Rodríguez Saá designou David Espósito como o novo presidente do Banco de la Nación.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.