Bancos de Wall Street fazem doações ao Haiti

Os bancos de Wall Street se juntaram aos esforços de socorro para as vítimas do terremoto que atingiu o Haiti e prometeram fazer contribuições iguais às de seus funcionários.

AE, Agencia Estado

14 de janeiro de 2010 | 17h20

Morgan Stanley, Jefferies Group Inc., Bank of America Corp. e Goldman Sachs Group Inc., dentre outras empresas financeiras, ofereceram dinheiro a várias entidades. Cada um doou US$ 1 milhão para instituições que incluem a Cruz Vermelha norte-americana e o Médicos Sem Fronteiras.

Os bancos se juntaram a corporações como Lowe''s Cos. e Walt Disney no envio de ajuda financeira para o Haiti. A necessidade de apoio internacional cresceu hoje depois que autoridades haitianas disseram que o número de mortos pode chegar a 100 mil. A Cruz Vermelha estima um número entre 45 e 50 mil mortos.

Doação de bônus

Os bancos prometeram US$ 1 milhão cada, mas uma quantidade ainda maior pode ser doada a instituições por banqueiros e traders. Muitos funcionários receberão seus bônus de fim de ano nas próximas semanas e já existe alguma pressão dos executivos para que doem uma parte desses ganhos.

O Goldman Sachs já pediu a seus executivos e gerentes que doem uma parte de seus bônus para entidades de assistência. O banco iniciou um programa voluntário de assistência dois anos atrás, pelo qual altos executivos da instituição empenharam cerca de US$ 130 milhões em 2008.

O banco de investimentos, que deve divulgar um lucro quase recorde em 2009, prometeu fazer contribuições iguais às de seus funcionários. Enquanto isso, o Jefferies informou que vai doar todas as comissões líquidas da sexta-feira para o socorro às vítimas do terremoto.

Outras entidades de assistência vão receber recursos como o Fundo dos Estados Unidos para a Infância, o Save the Children, a Central de Respostas a Emergências da ONU, o Comitê Internacional de Resgate e o Programa Mundial de Alimentos.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotobancosWall Street

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.