Bando que vendia ´noiva cadáver´ é preso na China

A polícia chinesa prendeu um bando que matou duas mulheres e as vendeu como "noivas cadáveres", um velho costume no qual solteiros são enterrados com jovens falecidas (de morte natural) para ter uma boa vida no além, diz nesta segunda-feira o site do jornal Legal Daily."Só queria ganhar dinheiro. É uma maneira rápida de ganhar dinheiro. Prenderam-me muito rápido, se não o tivessem feito tinha planejado este negócio mais vezes", disse na prisão Yang Dongyan, um camponês que agiu como líder do grupo.Outros dois homens foram detidos como cúmplices nos assassinatos, enquanto um empresário foi detido por ser o intermediário no momento de conseguir clientes para os cadáveres.O caso, que ocorreu na província rural de Shaanxi, ao norte da China, disparou um alerta diante de um possível ressurgimento do macabro costume, no qual os homens que morriam solteiros eram enterrados com o cadáver de uma mulher que garantiria a eles uma boa vida após a morte.A família chegava a oficializar um casamento "post-mortem" para o casal, explicou o jornal.Yang comprou a primeira de suas vítimas de uma família pobre da comarca de Yanchuan por US$ 1.545, em teoria como esposa, costume habitual na zona rural chinesa, mas a matou com a ajuda de seus cúmplices e vendeu seu cadáver por cerca de US$ 1.900.A segunda vítima era uma prostituta da mesma região, que foi vendida pelo bando por aproximadamente US$ 1.000 antes de serem descobertos pela polícia, que teme que este tipo de crime tenha ressurgido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.