Bangcoc confirma diálogo com líderes separatistas

O primeiro-ministro interino da Tailândia, Surayud Chulanont, confirmou que seu governo dialogacom os líderes separatistas muçulmanos do sul do país para encerrar o conflito que já causou mais de 1.700 mortes desde janeiro de 2004. Chulanont reconheceu que abriu negociações na Malásia, um dia depois de fontes oficiais informarem que líderes rebeldes estãodispostos a renunciar à independência em troca de um programa de desenvolvimento sustentado para as províncias muçulmanas de Pattani, Yala e Narathiwat. Em declarações à imprensa, o primeiro-ministro interino disse que o representante do governo nas negociações é o general Vaipot Srinual, atual diretor da Agência Nacional de Inteligência. As negociações foram confirmadas depois de o presidente do Conselho Nacional de Segurança e líder do golpe de Estado de 19 de setembro, general Sonthi Boonyaratglin, defender negociações com os grupos rebeldes. O movimento separatista islâmico, integrado por cerca de 10 grupos, retomou a luta armada em janeiro de 2004, em resposta ao endurecimento da política do então primeiro-ministro ThaksinShinawatra, contrário a qualquer tipo de negociação. Cerca de 35 mil soldados e policiais estão postados nas província de Pattani, Yala e Narathiwat, de maioria muçulmana. Atéa anexação dos três territórios por parte da Tailândia, há um século, eles formavam o sultanato de Pattani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.