Bangladesh proíbe obrigatoriedade de roupas religiosas

Suprema Corte do país proibiu empresas e escolas de determinarem trajes das pessoas.

Anbarasan Ethirajan, BBC

23 de agosto de 2010 | 04h42

A Suprema Corte de Bangladesh proibiu que instituições de ensino e empresas obriguem os cidadãos do país a usar roupas religiosas.

A decisão foi tomada em um processo contra uma faculdade estatal no norte do país, que estava vetando a presença de mulheres sem véu no seu campus.

A Justiça também decidiu que mulheres não podem ser proibidas de participar em atividades culturais e esportivas. Bangladesh é um país de maioria muçulmana, onde a maior parte da população pratica uma versão moderada da religião.

O tribunal determinou que os trajes de estudantes ou trabalhadores - sejam eles religiosos ou não - são questão de decisão pessoal.

Em abril, a Suprema Corte havia determinado que escolas e faculdades não podem forçar mulheres a usar véus ou burqas.

"A diferença entre as duas decisões é que esta de hoje não se aplica apenas a mulheres, mas a homens também", disse à BBC Mahbub Shafique, um dos advogados que entrou com o processo na Justiça.

"Se qualquer traje religioso for imposto, isso será considerado ilegal."

No entanto, muitas pessoas em Bangladesh acreditam que fora da capital Dhaka, a decisão da Justiça será ignorada.

Nos últimos anos, as autoridades de Bangladesh estão tentando transformar o país em uma democracia secular, evitando que ele vire uma república islâmica, apesar da maioria muçulmana.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.