AP Photo
AP Photo

Bangladesh tem 18 mortos em eleições boicotadas

Manifestantes incendeiam mais de 100 postos de votações em protesto à recusa do primeiro-ministro de deixar o cargo

Agência Estado,

05 de janeiro de 2014 | 16h05

A polícia em Bangladesh atirou em manifestantes e ativistas da oposição incendiaram mais de 100 postos de votação neste domingo, 5, durante eleições nacionais boicotadas pela oposição e descritas como falhas pela comunidade internacional. Ao menos 18 pessoas foram mortas na violência relacionada ao pleito.

A recusa do primeiro-ministro Sheikh Hasina de atender à exigência da oposição de deixar o cargo e indicar um governo interino neutro para supervisionar a eleição levou ao boicote, o que prejudica a legitimidade do pleito. Ativistas de oposição vêm realizando ataques, greves e bloqueios nos transportes em ações que já deixaram pelo menos 286 mortos desde o ano passado.

A quantidade de pessoas que compareceu para a votação parece ter sido baixa, embora os números oficiais ainda não sejam conhecidos. Em um centro de votação no subúrbio de Daca, um envolvido na votação disse que cerca de 500 pessoas haviam deixado seu voto até as 14h no horário local, cerca de duas horas antes do fechamento das urnas. O centro tem mais de 4,1 mil eleitores cadastrados.

Sem a participação da oposição, não houve disputa para mais da metade dos assentos no Parlamento e a vitória foi da governista Awami League. Em um comunicado, o porta-voz da oposição Mirza Fakhrul Islam Alamgir pediu que a população rejeite as eleições, as quais chamou de "sem sentido".

A contagem de votos começou após o fechamento das urnas neste domingo. O resultado oficial é esperado para a manhã de segunda-feira.

A oposição anunciou ainda uma nova greve geral de 48 horas que deve começar nesta segunda. O objetivo é fazer com que as eleições sejam anuladas. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladesheleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.