Bangladesh vai investigar unidades do banco de Yunus

O governo do Bangladesh determinou que uma comissão composta por quatro membros investigue 54 empresas ligadas ao Banco Grameen, instituição pioneira na concessão de microcrédito fundada por Muhammad Yunus, prêmio Nobel da Paz de 2006.

AE, Agência Estado

16 Maio 2012 | 09h02

A investigação ocorre semanas depois de o ministro das Finanças bengalês, A.M.A. Muhith, dizer que a diretoria do banco não havia autorizado a maioria das afiliadas.

Em recente visita a Bangladesh, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, pediu ao governo que não tomasse nenhuma atitude que pudesse comprometer a eficiência do Grameen. Muhit classificou o comentário de injustificável.

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, o Ministério de Finanças disse que a comissão deverá apresentar em três meses um relatório com sugestões dos "futuros passos a serem tomados pelo Banco Grameen e suas afiliadas".

Numa apuração feita no ano passado, o governo descobriu que o Grameen descumpriu seu estatuto ao criar afiliadas que não beneficiavam os acionistas do banco e recomendou que as unidades fossem integradas à instituição.

Yunus afirma que as afiliadas são independentes e assim devem continuar, e acusa o governo de tentar interferir nas atividades do banco. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Bangladesh Yunus investigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.