AP Photo/Carolyn Kaster
AP Photo/Carolyn Kaster

Bannon se retrata por declarações sobre filho de Trump em livro

Donald Trump Jr. foi chamado de antipatriótico e traidor, o que levou ao presidente romper com o ex-estrategista chefe da Casa Branca

O Estado de S.Paulo

07 Janeiro 2018 | 16h31

WASHINGTON - O ex-estrategista chefe da Casa Branca Steve Bannon se distanciou dos comentários atribuídos a ele sobre o filho do presidente Donald Trump, Donald Trump Jr., publicados no livro Fire and Fury: Inside the Trump White House, do jornalista Michael Wolff

+ Helio Gurovitz: Dá para confiar em Michael Wolff?

Na publicação, Bannon diz que a reunião de Trump Jr. e outros líderes da campanha com representantes russos foi antipatriótica e uma traição. Agora, ele diz que foi citado de maneira imprecisa. “Donald Trump Jr. é um patriota e um bom homem. Ele foi incansável na defesa da agenda de seu pai e ajudou a transformar o país”, disse Bannon em um comunicado. “Me arrependo da minha demora em responder à reportagem imprecisa sobrte Don Jr e de como isso tirou a atenção dos feitos do primeiro ano de mandato do presidente.”

Na semana passada, Trump rompeu com Bannon, a quem acusou de ter perdido a razão, quatro meses depois de o antigo chefe de campanha ter deixado a Casa Branca  em meio à reformulação do gabinete do presidente. Também na semana passada,  advogados de Trump enviaram uma notificação ao ex-chefe de Estratégia na Casa Brancapara que ele pare de falar publicamente sobre o período em que trabalhou no governo americano.

+Trump rejeita acusações de livro e diz ter um gênio muito equilibrado

Além disso, momentos depois da divulgação de trechos do explosivo livro, no qual Bannon critica pessoas próximas e parentes do presidente, Trump emitiu uma nota para afirmar que o ex-funcionário "não tem nada a ver comigo nem com a minha presidência".

Na manhã de hoje,  Trump, chamou de "livro falso" o explosivo relato dos bastidores de seu governo,  que questiona a sua aptidão para o cargo. Trump tuitou neste domingo que o best-seller instantâneo - que o mostra como desinformado e instável, com sinais de séria perda de memória - é um "livro falso, escrito por um autor totalmente desacreditado". Um dia antes, tentando refutar a insinuação de Wolff sobre sua instabilidade, Trump se chamou de "gênio muito estável".

Wolff defendeu seu trabalho neste domingo dizendo à NBC que "absolutamente não" violou nenhum acordo de sigilo em seu relato. No entanto, entregou, do total de três horas que diz ter passado com Trump, que o presidente "provavelmente não pensou naquilo como entrevistas".

+ Advogados de Trump tentam impedir publicação de livro sobre seu governo

Também mostrou um alto nível de preocupação na Casa Branca com o risco que Trump corre de ser removido do cargo por não estar apto, conforme é colocado, embora seja difícil de aplicar, na 25ª Emenda à Constituição - que pode tirar o ocupante da presidência por incapacidade física ou mental. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.