Baquba ainda sofre com Al-Qaeda

Ex-combatente de grupo terrorista afirma que Irã poderá assumir o controle da Província de Diyala após a saída das tropas americanas

Lourival Sant?Anna, Juca Varella, O Estadao de S.Paulo

15 de março de 2010 | 00h00

Mudança de lado. Mujamaa entrou para a Al-Qaeda em 2003, mas deixou grupo terrorista depois que a polícia iraquiana começou a ser alvo dos atentados

ENVIADOS ESPECIAIS

BAQUBA, IRAQUE

"Sou sincero", diz o xeque Hussam al-Mujamaa, sentado sobre o tapete no chão de sua sala comprida, num modesto barracão no Campo Saad, antiga base do Exército iraquiano em Baquba, 60 quilômetros ao norte de Bagdá. "Eu trabalhava para a Al-Qaeda."

Mujamaa foi subordinado de Abu Musab al-Zarqawi, o líder da Al-Qaeda no Iraque, morto pelos americanos em junho de 2006 no vilarejo de Hibhib, na entrada de Baquba. "Era um homem forte, muito duro para lidar com os outros", descreve Mujamaa. "Era muito radical, mas tinha certo senso de humor."

Mujamaa entrou na Al-Qaeda assim que ela começou a se instalar no Iraque, em 2003. Apesar de ter apenas 26 anos, chegou à patente de "emir", ou comandante, da defesa antiaérea (encarregada de derrubar helicópteros americanos). "Mas depois a Al-Qaeda mudou de ideologia, adotou a agenda de outros países e passou a atacar a polícia e o Exército iraquianos", recorda. "Eu me opus a isso. Tentei fazê-los mudar de ideia, mas não consegui. Saí em abril de 2007 e passei a lutar contra eles."

Na terça-feira, ele estava no carro com a filha Huda, de 2 anos, quando um artefato explodiu sob o chassi. A menina feriu-se no rosto. Mujamaa já perdeu a conta de quantas vezes o tentaram matar. Seu pai, irmão, tio e cinco primos foram mortos pela Al-Qaeda.

Mujamaa é o líder do Sahawat (Despertar) em Baquba, capital da Província de Diyala, e diz ter 12 mil homens sob seu comando. Inicialmente, o movimento, espalhado pelas províncias sunitas do centro-norte e oeste do Iraque, recebia o patrocínio direto dos EUA. A operação foi transferida em junho de 2008 para o governo iraquiano. Os EUA pagavam US$ 500 por mês para cada combatente, e de US$ 4 mil a US$ 5 mil para Mujamaa. O soldo caiu para US$ 250 e o contingente, de 16 mil para 12 mil. Mujamaa parou de receber sua parte.

À pergunta sobre se Diyala ficará segura depois da retirada das tropas americanas, Mujamaa garante que não: "O Irã vai assumir o controle." Ele afirma que a Al-Qaeda no Iraque, originalmente sunita e anti-xiita, é sustentada pelo regime iraniano. Muitos iraquianos, principalmente sunitas, acreditam nisso.

Mudança de foco. A polícia de Diyala sofreu um duro golpe da Al-Qaeda no dia 3. Quatro dias antes das eleições parlamentares de domingo, uma sequência coordenada de 3 atentados a bomba matou 33 pessoas, entre elas 12 policiais, e deixou 72 feridos. "Para recrutar três terroristas suicidas numa cidade pequena e realizar atentados como esses é preciso ser um grupo grande, bem financiado e estruturado", reconheceu ao Estado o coronel Raguib el-Awomery, comandante da Polícia Federal na Província de Diyala.

Mesmo assim, o coronel acha que os americanos podem ir embora: "Dia após dia, as forças iraquianas estão assumindo as responsabilidades dos americanos." De maio a agosto, o número de soldados americanos deve ser reduzido de 97 mil para 50 mil. O foco da missão mudará do combate para o treinamento das forças iraquianas. As Forças Armadas iraquianas têm 197 mil homens; a polícia, 600 mil.

Em Diyala, são 20 mil policiais, e Awomery diz que não há necessidade de mais: "Estamos fazendo progressos contínuos contra a Al-Qaeda, não só a polícia e o Exército, mas também os cidadãos comuns, que nos dão informações." Ele reconhece que o Despertar "tem desempenhado papel significativo em ajudar as forças de segurança a limpar a área, a combater a Al-Qaeda e outros grupos armados".

Segundo o governador de Diyala, Abdul Nasser Mahmud, o Despertar foi importante também para neutralizar a influência da Al-Qaeda nas mesquitas, que eram usadas como locais de doutrinamento e recrutamento. "As pessoas viram que gente religiosa, como os membros do Despertar, estava contra a Al-Qaeda", disse ele ao Estado.

O coronel Awomery levou a equipe do Estado num comboio da polícia para uma patrulha no bairro de Al-Aza, antes inteiramente controlado pela Al-Qaeda, que montava até postos de controle nas ruas de Baquba. O comboio parou na frente da antiga Escola El-Amin, que a Al-Qaeda transformou em quartel-general e depois foi desalojada por um ataque de mísseis dos EUA.

"Esta é a questão crítica", diz o governador, diante da pergunta sobre se é possível manter a segurança em Diyala sem ajuda dos americanos."Se os grupos políticos se reconciliarem, se os países vizinhos pararem de interferir nos nossos assuntos, se o próximo governo for equânime, se conseguirmos atrair investimentos externos, impulsionar a economia e diminuir o desemprego, que facilita o recrutamento dos terroristas, sim."

PONTOS-CHAVE

Fim de Saddam

Captura e enforcamento do ditador iraquiano em 2006 acirraram as divisões entre a maioria xiita e a minoria sunita

Abu Musab al-Zarqawi

Líder da Al-Qaeda no Iraque lançou guerra sectária contra os xiitas. Foi morto em bombardeio de caças americanos em 2006

Eleições

Votação para o Parlamento no dia 7 foi teste para democracia no país. Grupo de xiitas moderados desponta como vencedor

Baixas

3 mil

Americanos foram mortos desde o início da ocupação americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.