Barak contradiz Netanyahu em comissão sobre ataque a frota humanitária

Ehud Barak compareceu perante a comissão que investiga o ataque que aconteceu em maio

Efe,

10 de agosto de 2010 | 05h29

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, contradisse hoje as declarações do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu diante da comissão encarregada de investigar o ataque israelense à frota de barcos que levaria ajuda humanitária à Faixa de Gaza, em maio.

Barak disse que o Governo israelense estudou os aspectos operacionais do ataque.

"A decisão de parar a frota, pelo primeiro-ministro e pelo Gabinete de sete ministros, foi tomada depois de estudar toda a situação e seus dilemas", declarou Barak diante da comissão, e acrescentou que o debate entre os membros mais destacados do Governo "não se limitou aos aspectos midiáticos de parar a frota, mas também (foram considerados) os militares".

A afirmação contradiz as declarações de ontem de Netanyahu diante da comissão, que afirmou que os membros de seu Gabinete "não trataram os detalhes da operação além do impacto midiático" que ela poderia ter.

Barak assumiu hoje "toda a responsabilidade do que ocorrer nos sistemas subordinados" a ele, mas também disse que "se a decisão foi adequada, então a diferença entre o que queríamos e o que ocorreu esteve na execução", o que indica uma responsabilidade por parte dos militares.

O ministro defendeu a necessidade de manter o bloqueio a Gaza, "para evitar que se transforme em um armazém gigante de armas utilizadas contra os cidadãos do Estado" de Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.