Sergio Perez / Reuters
Sergio Perez / Reuters

Barcelona adere à greve convocada pelo governo catalão e não treinará

Clube jogou ontem contra o Las Palmas de portões fechados em meio a pressões dentro da diretoria para que a equipe não entrasse em campo

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2017 | 14h22

BARCELONA, ESPANHA - Principal time de futebol da Catalunha e símbolo da identidade regional, O Barcelona aderiu à greve geral convocada para a terça-feira, 2, contra a repressão policial do governo da Espanha ao plebiscito sobre a independência catalã realizado no domingo, 1.

Líder catalão diz não querer 'separação traumática' e convoca reunião

“O Barcelona adere à greve e o clube permanecerá fechado amanhã”, disse o clube em nota. “Não haverá treinos das equipes profissionais e de base.”

O clube jogou ontem contra o Las Palmas de portões fechados em meio a pressões dentro da diretoria para que a equipe não entrasse em campo. 

 

Após a partida, o zagueiro Piqué, nascido na Catalunha, defendeu o direito ao voto e disse que “era e se sentia catalão”. Ele criticou a repressão policial e o primeiro-ministro Mariano Rajoy. O atleta também cogitou parar de defender a seleção espanhola. “Se sou um problema, me coloco de lado”, disse. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.