AP
AP

Barco com 150 imigrantes naufraga no Oceano Índico

Pessoas buscavam asilo na Austrália; um corpo foi encontrado e 130 sobreviveram

AE, Agência Estado

27 de junho de 2012 | 11h55

CAMBERRA - Um barco transportando pessoas que buscavam asilo na Austrália afundou nesta quarta-feira, no Oceano Índico. Um corpo foi encontrado e 130 sobreviventes foram resgatados. Buscas aéreas e no mar continuam, pois mais de 19 pessoas ainda estão desaparecidas.

Veja também:

linkNúmero de solicitantes a refúgio em SP quase triplica em dois anos e meio

linkNúmero de refugiados bateu recorde em 2011, revela ONU

tabela ESPECIAL: Refugiados

"A informação que temos é que cerca de 150 pessoas estavam no barco", afirmou o ministro de Assuntos Internos australiano, Jason Clare. Três navios mercantes, dois navios de guerra e uma avião da Força Aérea australiana realizam buscas na região do Oceano Índico entre a ilha de Java, Indonésia, e ilha australiana Christmas. A Autoridade Australiana de Segurança Marítima disse que entre os passageiros do navio estavam mulheres e crianças.

Clare afirmou que os sobreviventes chegarão na ilha Christmas no início da quinta-feira (horário local). A Austrália é um destino comum para barcos levando refugiados do Afeganistão, Iraque, Sri Lanka e outros países em conflito.

Na quinta-feira passada, 110 pessoas foram resgatadas após um navio carregando 200 solicitantes de asilo afegãos ter naufragado, apenas 24 quilômetros de distância do local onde ocorreu a tragédia desta quarta-feira. Apenas 17 corpos foram encontrados.

O Parlamento australiano debate maneiras de desestimular que pessoas em busca de asilo realizem a perigosa viagem. Os legisladores começaram conversas nesta quarta-feira para implementar uma lei para enviar os recém-chegados para a Malásia e Nauru, em troca de refugiados reconhecidos pela Organização das Nações Unidas.

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
RefugiadosAustrálianaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.