Barcos norte e sul coreanos trocam tiros na fronteira

No conflito de fronteira mais sério dos últimos três anos, navios da marinha da Coréia do Norte afundaram, neste sábado, uma lancha patrulheira da Coréia do Sul, a oeste da península coreana. Pelo menos quatro marinheiros sul-coreanos morreram, 18 ficaram feridos e um ainda continua desaparecido. Até o momento, não houve informações sobre qualquer baixa norte-coreana. A Coréia do Sul culpa a Coréia do Norte pelo combate naval, que teria tido início quando duas lanchas sul-coreanas tentaram repelir dois navios de guerra do Norte que teriam invadido o mar territorial sul-coreano, além de um não-especificado número de barcos pesqueiros. Os barcos comunistas adentraram em cerca de 4,8 quilômetros as águas territoriais sul-coreanas, e teriam ignorado ordens de retirada feitas pelos sulistas. Depois dos avisos não atendidos, os barcos do Norte teriam começado a disparar e cerca de 150 barcos pesqueiros do Sul que estavam na área tiveram que evacuar o local às pressas.. A fronteira marítima entre as duas Coréias não é demarcada perfeitamente. A Coréia do Sul acusa a do Norte de ter feito 12 violações menores da fronteira no oeste da península, só no ano passado. No verão de 1999, uma série de violações de fronteira feitos por navios do Norte deram margem ao primeiro embate naval entre as duas Coréias desde a guerra de 1950-53. Desde a década de 50, um armistício cessou as hostilidades entre os dois países, mas um acordo de paz definitivo jamais foi assinado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.