Barracas, música e memorial transformam praça no centro do Cairo

Jon Leyne mostra acampamento, comércio e comitê de boas-vindas na praça Tahrir.

BBC Brasil, BBC

10 de fevereiro de 2011 | 14h06

O correspondente da BBC no Cairo, Jon Leyne, foi à Praça Tahrir, o centro dos protestos contra o governo no Egito, e encontrou o local transformado em uma pequena cidade.

Logo na entrada, tanques do Exército fecham a praça. Passando por eles, há o posto de checagem organizado pelos próprios manifestantes. Eles revistam quem chega ao local para evitar a entrada de armas ou de ativistas partidários do governo do presidente Hosni Mubarak.

Os ativistas também estabeleceram uma espécie de comitê de boas-vindas, com música para receber mais manifestantes.

Leyne afirma que a praça virou um vilarejo, com pessoas vendendo pão, queijo e cigarros. E também há pessoas morando na praça, em uma área com barracas.

Alguns manifestantes estão morando nas barracas desde o começo dos protestos, apesar da chuva e do frio durante a noite. E, segundo Leyne, são estes os mais decididos, que querem ficar na praça até o presidente Hosni Mubarak deixar o cargo.

Os ativistas também fizeram um memorial para as pessoas que morreram nos protestos, do outro lado da praça. E o correspondente conta que precisou de muito tempo para passar pela multidão e chegar ao local.

Perto do memorial, há cartazes com caricaturas de Mubarak e mais tanques fecham a outra entrada da praça e também os locais onde os discursos ocorrem o dia inteiro.

Mas, para Leyne, o que realmente chama atenção é o número cada vez maior de pessoas que chegam a toda hora na Praça Tahrir.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
egitoprotestospraça tahrirjohn leyne

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.