´Basayev recebeu o que merecia´, diz jornal russo

A morte do líder separatista checheno Shamil Basayev, acusado de planejar o ataque que matou 331 pessoas em uma escola em Beslan, em setembro de 2004, foi assunto de primeira página e de editoriais na mídia impressa em várias partes do mundo. Na Rússia, o jornal oficial do Ministério da Defesa, Krasnaya Zvezda, diz que "finalmente, um animal com aparência humana, que derramou tanto sangue inocente, recebeu o que merecia: a morte."Outro diário de grande circulação no país, o Moskovskiy Komsomolets, afirmou que "matando Basayev, nosso serviço de segurança restaurou a dignidade e o direito moral ao total controle da Chechênia."Futuro sem BasayevNa Alemanha, o Frankfurter Rundschau diz que os rebeldes chechenos "perderam um comandante carismático e um de seus organizadores mais originais", mas que o país continua longe da paz.O jornal liberal russo Vremya Novostey fez um alerta: "A destruição de Basayev é, sem dúvida, uma vitória moral. Mas infelizmente, a idéia de uma guerra terrorista subversiva se espalhando pelo Cáucaso alcançou uma dimensão em que grandes nomes estão perdendo o significado.""Os comandantes mortos são substituídos por outros mais jovens...Nessa perspectiva, a morte de Basayev não é o fim, mas o começo de um novo e enorme esforço", afirma o jornal.O New York Times diz que Basayev "vivia para o terror" e que a questão agora é se o presidente russo Vladimir Putin "está preparado para aproveitar este momento para iniciar negociações de paz com os separatistas chechenos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.