Bashir afirma que não aceitará intervenção da ONU em Darfur

O presidente do Sudão Omar Hassan al Bashir afirmou que não permitirá a intervenção de "capacetes azuis" da ONU no lugar das tropas da União Africana (UA) na região de Darfur, no oeste do país. Em reunião com deputados do Partido do Congresso Nacional (PCN), na noite de segunda-feira, Bashir disse que prefere "ser um líder da resistência em Darfur que um presidente de um país com tropas multinacionais"."Não haverá tropas multinacionais na região enquanto eu for o presidente do Sudão", repetiu o governante em discurso publicado nesta terça-feira pela imprensa local. Bashir também pediu a todos os grupos rebeldes do oeste sudanês que aceitem o acordo de paz assinado em maio passado com o Conselho Revolucionário de Libertação (CRL).Desde que o pacto foi estabelecido, milicianos do CRL, integrante do Movimento Sudanês de Libertação (SLM), maior grupo insurgente de Darfur, têm entrado em confronto com outras facções rebeldes, que não aceitaram o acordo. O coordenador humanitário da ONU, Manuel Aranda da Silva, avisou na segunda-feira em Cartum que a insegurança em Darfur impede a chegada de ajuda humanitária a cerca de 250 mil civis.O tratado de paz foi alcançado após dois anos de negociações para acabar com a guerra de Darfur, que começou em 2003 e já deixou mais de 200 mil mortos e 2 milhões de refugiados e deslocados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.