Bashir reitera que não permitirá capacetes azuis em Darfur

O presidente do Sudão, o general Omar Hassan Ahmad al-Bashir, reiterou que não permitirá o posicionamento de tropas multinacionais da ONU em Darfur e acrescentou que esta decisão "é definitiva".O presidente fez o pronunciamento durante um comício realizado em Cartum para apoiar a posição do governo, que rejeita a resolução 1706 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. "O governo sudanês não permitirá à ONU o envio de tropas internacionais, nem que venham só olhar", disse Bashir. "Nossadecisão é definitiva."O presidente sudanês acusou os Estados Unidos e outros países ocidentais de criarem "uma aliança sionista e de cruzados".As críticas de deste sábado estão entre as mais duras já apresentadas por Bashir contra a comunidade internacional, devido a sua insistência em enviar capacetes azuis à região ocidental de Darfur."Qualquer país que peça o envio de tropas ao Sudão, será considerado um país hostil e esta posição será considerada como uma declaração de guerra", afirmou. A guerra em Darfur explodiu em fevereiro de 2003, quando dois movimentos rebeldes pegaram em armas em protesto contra a pobreza e a marginalização imposta pelo governo à região, situada junto à fronteira com o Chade. Esse conflito, considerado pela ONU como uma das maiores tragédias humanitárias deste século, custou a vida de cerca de 200 mil pessoas, enquanto 2 milhões foram obrigadas a deslocar-se para outras regiões do Sudão ou para o Chade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.