Bastião de Khadafi reage a avanço de tropas opositoras

Bani Walid, cidade controlada por apoiadores do coronel líbio, está sob ataque da Otan, diz agência.

BBC Brasil, BBC

10 Setembro 2011 | 11h48

As forças leais ao líder líbio Muamar Khadafi resistiam neste sábado aos avanços dos opositores na cidade-chave de Bani Walid.

Os combatentes opositores, sob o mando do Conselho Nacional de Transição, iniciaram sua ofensiva contra Bani Walid - um dos quatro grandes bastiões de Khadafi remanescentes na Líbia - na noite de sexta-feira, após o fracasso de um acordo de rendição.

O CNT havia dado até este sábado para as tropas leais a Khadafi se renderem e permitirem a tomada de controle da cidade, o que não ocorreu.

Relatos da agência de notícia Reuters dão conta de que Bani Walid está agora sendo alvejada por ataques aéreos da Otan (aliança militar ocidental). Um repórter da agência disse ter visto o disparo de cinco mísseis.

O conflito na cidade recrudesceu durante a última noite, com trocas de tiros e de foguetes.

Combatentes anti-Khadafi foram levados a hospitais nos arredores da cidade, segundo o correspondente da BBC na região, Richard Galpin. Há relatos de mortes de civis e de combatentes dois dois lados.

Resistência inesperada

Ao lançar sua ofensiva, os combatentes do CNT disseram prever que o centro de Bani Walid seria tomado em poucas horas, mas há poucos indícios de que isso ocorrerá.

O correspondente da BBC Andrew Harding, que também está na entrada de Bani Walid, diz que as tropas pró-Khadafi são numerosas e estão oferecendo mais resistência do que o esperado, o que deve prolongar o conflito.

Há relatos de combates também em Sirte, cidade natal de Khadafi e outro reduto de apoiadores do coronel.

Ali, tropas de oposição foram obrigadas a recuar após sofrerem diversas baixas durante os confrontos, disseram fontes à agência Associated Press.

Alerta vermelho

Na última sexta-feira, a Interpol emitiu um alerta vermelho de busca por Khadafi, seu filho Saif al-Islam e seu chefe de inteligência.

Os três - cujo paradeiro é desconhecido - são procurados pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede na Holanda, para responder a acusações de crimes contra a humanidade durante a repressão aos rebeldes.

A Interpol disse em comunicado que o novo mandado de prisão "vai restringir significativamente a habilidade dos três homens de cruzar fronteiras internacionais".

O alerta vermelho é usado pela Interpol para advertir países-membros sobre pessoas procuradas e dar aos governos amparo legal para prender os fugitivos se estes estiverem em seu território.

Khadafi prometeu não deixar a Líbia e manter a luta pelo poder, mas há relatos de que ele teria escapado para Níger, algo que o governo do país vizinho nega. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.