Batalha de rua diminui superioridade de Israel

A luta chega às vielas das cidades palestinas e, pela primeira vez desde o início do ataque, há 12 dias, a superioridade tecnológica israelense fica menor e menos importante.A batalha urbana é uma especialidade dos 11,5 mil combatentes do Hamas. Homens e mulheres entre 16 e 50 anos, sem farda e sem identificação, adestrados em centros de treinamento que mudam regularmente de local. O recrutamento é feito nas escolas fundamentalistas. E há sempre um fluxo de voluntários.A instrução dura 90 dias. Cada militante aprende técnicas para construção de bombas com produtos de limpeza. E a atirar com os fuzis Ak-47 e pistolas 9 mm, lançar granadas de mão, disparar foguetes RPG, mobilizar manifestantes e, sobretudo, são preparados para resistir aos duros interrogatórios.São pessoas comuns, magros e gordos, altos e baixos; alguns se apoiam em bengalas, muitos usam óculos. "Se tivessem uniforme seriam as habituais calças de moletom, o abrigo esportivo escuro, um cachecol kafieh quadriculado que pode ser usado para esconder o rosto, sandálias de couro ou tênis leves", afirma Zaki Chehab, analista árabe dos movimentos islâmicos radicais, autor do livro Por Dentro do Hamas. Para o jornalista, "essa habilitação o transforma em uma sombra anônima e furtiva".O inimigo dessa sombra é um bem preparado militar: no Exército de Israel só a qualificação física exige, em média, um ano. Usa farda inteligente - arejada no calor, quente no frio - botas leves com amortecedores, um sofisticado sistema ótico acoplado ao capacete com recursos para visão noturna, e o fuzil Tavor 2, de 3 quilos e magazine de 30 tiros 5.56mm, com designador laser, lente de aproximação e tubo lançador de granadas de 40mm. Um certo número de integrantes de forças especiais estará armado com o Cornershot, feito para ?ver? em esquinas: há uma articulação entre o cano e a coronha e uma microcâmera na seção frontal. Nada disso impede, entretanto, que, mesmo ao abrigo de um blindado de 13 toneladas avaliado em US$ 3 milhões, esse soldado sofra os efeitos de um furtivo lançador de foguetes RPG, imbatíveis a 50 metros de distância. Cada um custa US$ 120.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.