´Batalhões de Jerusalém´ reivindicam violação de trégua

Os "Batalhões de Jerusalém", braço armado da Jihad Islâmica, reivindicaram o disparo de foguetes Qassam contra a localidade israelense de Sderot após a entrada em vigor do cessar-fogo proposto por outras facções palestinas e aceito por Israel, que retirou suas tropas de Gaza.O grupo armado violou o acordo em aparente dissidência com sua liderança política, que aderiu na noite do último sábado à trégua organizada pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas, e o primeiro-ministro Ismail Haniyeh, do Hamas, com representantes das facções armadas.Outro grupo que não aprovou essa proposta, e desmentiu ter negociado seu consentimento com Haniyeh, é o dos "Batalhões de Abu Rish", dissidentes do movimento nacionalista Fatah.O ministro da Defesa israelense, Amir Peretz, advertiu na manhã deste domingo em um debate com autoridades militares que Israel "teminteresse em manter a calma, mas reagirá com a máxima energia se (ospalestinos) atacarem a população civil".Por sua parte, porta-vozes das facções que propuseram o cessar-fogo agendaram uma reunião na noite deste domingo em Gaza para "avaliar" a reação de Israel à sua proposta unilateral, embora condicionada a que este país também suspenda suas operações militares na Faixa deGaza.O porta-voz do Governo de Haniyeh, Ghazi Hamad, declarou neste domingo que o lançamento de foguetes Qassam por milicianos da Jihad Islâmicacontra o povoado de Sderot, no sul de Israel, é "uma violação doacordo e do consenso palestino".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.