''Batom'' acirra disputa nos EUA

Obama e McCain trocam acusações após republicano afirmar que rival fez ataques machistas a sua vice, Sarah

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2008 | 00h00

A campanha eleitoral à presidência dos EUA foi tomada ontem por um troca de acusações sobre gêneros e machismo. O candidato republicano, John McCain, criticou seu rival democrata, Barack Obama, dizendo que ele fez um ataque sexista contra a vice de sua chapa, a governadora do Alasca Sarah Palin. Com os candidatos lutando pelo voto feminino, a polêmica ampliou-se ontem, quando McCain divulgou em seu site um anúncio dizendo que seu opositor comparou Sarah a um porco. Obama comparou o projeto dos republicanos para reformar o governo ao ato de "passar batom em um porco" durante um discurso na terça-feira. "Você pode passar batom em um porco. Ele ainda será um porco. Você pode embalar um peixe em um pedaço de papel e chamar isso de mudança. Mas ainda vai cheirar mal após oito anos. Já tivemos o suficiente", disse o democrata. Sarah, que era pouco conhecida até ser nomeada vice de McCain, afirmou durante a Convenção Republicana, na semana passada, que a única diferença entre ela e um pit bull era que ela usava batom.A propaganda veiculada por McCain justapõe os comentários sobre batom feitos por Obama e por Sarah. Em seguida, corta para um apresentador de TV dizendo que uma lição a ser tirada dessa campanha era que "o papel do sexismo na vida dos americanos era algo presente e aceitável". Então, a propaganda exibe frases dizendo que Obama não está pronto para governar.MENTIRASAssessores de Obama reagiram ontem, acusando McCain de propagar "mentiras revoltantes" e de lançar uma "tentativa patética" de jogar com a questão do gênero sexual na campanha. Obama tratou da polêmica durante um discurso que fez em Norfolk, na Virgínia, dizendo que a campanha de McCain está usando o mesmo jogo político que já cansou o povo americano. "Eles (os republicanos) pegam um comentário inocente, tentam tirá-lo do contexto e exibem um comercial vergonhoso porque sabem que seria algo atrativo para a mídia. Mas não me importo com o que dizem sobre mim, pois amo esse país demais para deixar que eles vençam mais uma eleição", afirmou o candidato democrata. A porta-voz de Obama, Linda Douglass, disse que era óbvio que o democrata não estava se referindo a Sarah e nem a comparando a um porco: "McCain está promovendo uma campanha cínica e desonesta para tentar distrair os eleitores."Pesquisas realizadas após as convenções dos dois partidos mostram McCain aproximando-se e até ultrapassando Obama. Uma sondagem do jornal The Washington Post e de rede de TV ABC indicou que o aumento da aprovação a McCain deve-se principalmente a um novo apoio de eleitoras brancas.A campanha do democrata rejeita a idéia de que esteja perdendo espaço entre as mulheres. No entanto, McCain vem atraindo cada vez mais partidários em seus comícios desde a nomeação de Sarah. Em um discurso na terça-feira em Fairfax, Virgínia, ele reuniu 23 mil pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.