Bayrou se reúne com partido para decidir quem irá apoiar

O candidato centrista François Bayrou, que terminou o primeiro turno das eleições presidenciais francesas em terceiro lugar, reúne-se nesta terça-feira com parlamentares e dirigentes de seu partido (UDF) para decidir qual será sua posição para o segundo turno. O eleitorado de Bayrou pode decidir este segundo turno, dividido entre direita, com Nicolas Sarkozy, ou esquerda, de Ségolène Royal. O candidato deve dar uma entrevista coletiva na quarta-feira, mas seus aliados acham improvável que ele apóie um dos dois, pois isso prejudicaria a imagem de independência que ele cultivou durante a campanha. Os dois finalistas da disputa deixaram mensagens na caixa-postal de seu telefone celular, segundo o próprio candidato disse na edição desta terça-feira do jornal Le Monde. De acordo Bayrou, o primeiro a ligar durante a manhã de segunda-feira foi o candidato conservador e, à tarde, a socialista, que horas depois estendeu a mão ao presidente da União pela Democracia Francesa (UDF) para manter um diálogo público e aberto sobre "valores" na busca de "convergências" visando ao segundo turno de 6 de maio. Ségolène convidou-o para participar de um debate público para ver se os dois encontravam políticas em comum, e pediu que ele desse logo uma resposta à proposta. "Cabe a François Bayrou aceitar sua responsabilidade e dizer como ele encara a organização desse debate", disse ela. "Não o estou pressionando, nem impondo um ultimato. Cabe a ele decidir quando responder. Mas acho que as coisas têm de andar bem rápido", afirmou a candidata socialista. Sarkozy se mostrou favorável a uma união "o mais ampla possível" e a uma "abertura de espírito", mas excluiuqualquer "pechincha" partidária, em provável resposta à mensagem dada pela UDF de que "não está à venda". Os socialistas esperam atrair uma parcela dos eleitores de Bayrou com base no índice de rejeição do ex-ministro do Interior, Sarkozy. Historicamente, porém, o partido de Bayrou é muito mais ligado ao de Sarkozy. Os direitistas também podem usar o advento das próximas eleições parlamentares, em junho, para pressionar o partido de Bayrou.Analises e pesquisas Analistas políticos acreditam que o eleitorado de Bayrou vai se dividir entre os dois candidatos. Uma pesquisa do instituto Ipsos para a revista Le Point de terça-feira disse que 38% dos eleitores de Bayrou escolheriam Royal, 35% ficariam com Sarkozy e 27% deixariam de votar. Sarkozy ficou com 31,2% dos votos, contra 25,9% de Ségolène. As pesquisas iniciais indicaram que Sarkozy vencerá o segundo turno com entre 52 e 54% dos votos, mas uma nova sondagem sugeriu uma disputa mais apertada. A TNS Sofres deu a Sarkozy 51% das intenções de voto, contra 49% para Ségolène. Segundo a pesquisa, a 12 dias do pleito, ainda há 20% de indecisos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.