Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Martin Cleaver/AP
Martin Cleaver/AP

BBC pede perdão por entrevista com Diana 25 anos depois

O repórter, Martin Bashir, enganou irmão da princesa para conseguir o encontro, emissora reconhece

Mark Landler, The New York Times, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2021 | 23h13

Vinte e cinco anos antes do Príncipe Harry e sua esposa, Meghan, se abrirem para Oprah Winfrey e admitirem suas lutas dentro da família real britânica, a mãe de Harry, princesa Diana, já havia estabelecido o padrão para o sensacional relato real em 1995, quando concedeu uma entrevista ao jornalista da BBC Martin Bashir.

Nesta quinta-feira, 20, um inquérito da própria emissora concluiu que Bashir enganou o irmão de Diana, Charles Spencer, para obter a entrevista. E culpou a administração da BBC de ter encoberto a conduta de Bashir, que incluiu criar extratos bancários falsos para minar uma organização de notícias rival. 

“Sem justificativa, a BBC ficou aquém dos altos padrões de integridade e transparência que são sua marca registrada”, disse Lord John Dyson, um ex-juiz da Suprema Corte britânica, em um relatório de 127 páginas sobre o inquérito, que conduziu em a pedido da atual gestão da emissora.

As conclusões, embora não inesperadas, são um olho roxo para a BBC em um momento em que a emissora enfrenta pressão do governo conservador do premiê Boris Johnson por sua cobertura jornalística, ameaçando revisar a taxa de licença compulsória que financia a maioria das operações da BBC.

Embora o relatório seja contundente, ele diz respeito a ações que ocorreram há mais de um quarto de século, em uma das mais estranhas histórias de prestidigitação da radiofusão britânica. 

Bashir, então um jovem jornalista não particularmente proeminente da BBC, buscava uma entrevista que alavancasse a sua carreira.

De acordo com o relatório, ele pediu a um designer gráfico freelance, Matthias Wiessler, que criasse extratos bancários falsos documentando os pagamentos da News International, uma editora de jornal e uma empresa chamada Penfolds na conta de um ex-funcionário de Spencer, presumivelmente para encorajar o ex -empregado a espionar seu chefe.

Bashir então mostrou as declarações a Spencer para ganhar sua confiança e persuadi-lo a apresentá-lo a Diana. Em agosto de 1995, dizia o relatório, ela estava ansiosa para dar uma entrevista sobre seu casamento em frangalhos com o príncipe Charles e estava no mercado para "qualquer repórter experiente e respeitável".

Bashir conseguiu a entrevista para o programa Panorama, da BBC, e o evento foi uma bomba tão grande quanto a entrevista de Harry e Meghan à Oprah na CBS. 

“Éramos três neste casamento”, disse Diana a Bashir sobre seu marido e Camilla Parker Bowles, com quem ele teve um relacionamento antes e durante o casamento, e com quem se casou mais tarde.O Palácio de Buckingham a via como uma “espécie de ameaça”, disse Diana, prefigurando a linguagem que sua nora usou com Oprah em março. Quase 23 milhões de pessoas assistiram à entrevista com Diana, que se tornou um marco da cultura pop e transformou Bashir em uma estrela.

Bashir fez carreira nos EUA, trabalhando para a ABC News e para a MSNBC. Em 2013, ele renunciou após fazer comentários depreciativos sobre Sarah Palin, mas depois voltou à BBC como correspondente de assuntos religiosos.

Agora com 58 anos, Bashir está há anos sob a dúvida de como ele obteve a entrevista. Ele deixou a BBC apenas na semana passada, alegando problemas de saúde, à medida que a publicação do relatório se aproximava. Ele sofreu de problemas cardíacos graves e ficou gravemente doente de covid-19 no ano passado.

Em nota, Bashir disse: “Pedi desculpas na época, e faço isso de novo agora, pelo fato de ter feito a simulação de extratos bancários. Foi uma coisa estúpida de se fazer e foi uma ação da qual me arrependo profundamente. ” Mas ele insistiu que “os extratos bancários não tiveram qualquer influência na escolha pessoal da princesa Diana de participar da entrevista” - uma afirmação que o relatório geralmente apóia, observando que ela estava feliz com o resultado.

Até certo ponto, a investigação é mais prejudicial para os ex-gerentes da BBC, descritos como crédulos, "lamentavelmente ineficazes" e dispostos a aceitar o relato de Bashir, mesmo depois que ele mentiu para seus chefes sobre o incidente.

Uma investigação interna anterior da BBC - liderada por Tony Hall, que mais tarde se tornou o diretor-geral da emissora - nem mesmo consultou Spencer antes de declarar Bashir um "homem honesto e honrado".

As alegações reapareceram no ano passado após uma longa campanha de Spencer e da transmissão de um documentário na ITV no qual Wiessler disse ter sido feito bode expiatório pela emissora.

A BBC, que encomendou o inquérito independente em novembro, emitiu uma resposta contrita, admitindo que “o processo para garantir a entrevista ficou muito aquém do que o público tem o direito de esperar”. “A BBC deveria ter feito um esforço maior para descobrir o que aconteceu na época e ser mais transparente sobre o que sabia ”, disse Tim Davie, o atual diretor-geral. “Embora a BBC não possa voltar no tempo depois de um quarto de século, podemos fazer um pedido de desculpas completo e incondicional.”

O relatório foi recebido com amargura pelos dois filhos de Diana, os príncipes William e Harry, que afirmaram que a entrevista envenenou o que restou do relacionamento de Diana com Charles e até mesmo lançou as bases para sua morte em um acidente de carro em Paris dois anos depois, após uma perseguição de paparazzis.

William acusou os funcionários da BBC de fazerem “afirmações sinistras e falsas sobre a família real, que jogavam com seus medos e alimentavam a paranóia”. Harry, referindo-se a uma “cultura de exploração e práticas antiéticas” pela mídia, disse, “nossa mãe perdeu a vida por causa disso, e nada mudou.    

A BBC recebeu aplausos no ano passado por sua cobertura exaustiva da pandemia, mas continua sendo um alvo frequente do governo Johnson.

A emissora se viu no meio de disputas de guerra cultural sobre sua suposta hostilidade ao Brexit, não mostrando o devido respeito à Union Jack e se recusando a tocar a letra de canções patrióticas como Rule Britannia.

“A situação chega em um momento muito ruim para a BBC”, disse Meera Selva, diretora do Reuters Journalism Fellowship Program da Universidade de Oxford. “Há muito pouca dúvida de que isso será uma arma contra a instituição em um momento em que ela realmente precisa fazer um caso público por sua excelência jornalística. ”

Na quinta-feira, Spencer, que há muito tempo acusava Bashir de agir de forma enganosa, postou uma foto em preto e branco no Twitter dele e de Diana quando crianças. “Alguns títulos são muito antigos”, escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.